PATRIARCAS E PROFETAS, cap. 47-48

Capítulo 47 — Aliança com os Gibeonitas

Este capítulo é baseado em Josué 9-10.

De Siquém os israelitas voltaram ao seu acampamento em Gilgal. Aqui foram logo depois visitados por estranha delegação, que desejava entrar em um pacto com eles. Os embaixadores representavam ter vindo de um país distante, e isto parecia confirmar-se pela sua aparência. Suas vestes estavam velhas e gastas, remendadas as suas sandálias, bolorentas as suas provisões, e os couros que lhes serviam de odres de vinho, achavam-se rotos e atados, como que apressadamente reparados em viagem.

Em seu longínquo país, que diziam estar além das fronteiras da Palestina, declararam eles, seus patrícios ouviram falar nos prodígios que Deus operara pelo Seu povo, e os enviaram para fazer uma aliança com Israel. Os hebreus haviam sido especialmente advertidos contra o fazerem qualquer acordo com os idólatras de Canaã, e surgiu no espírito dos dirigentes dúvida quanto à veracidade das palavras dos estrangeiros. “Porventura habitais no meio de nós”, disseram. A isto os embaixadores apenas replicaram: “Nós somos teus servos.” Mas quando Josué lhes perguntou diretamente: “Quem sois vós, e donde vindes?” reiteraram sua declaração anterior, e acrescentaram como prova de sua sinceridade: “Este nosso pão tomamos quente das nossas casas para nossa provisão, no dia em que saímos para vir a vós, e ei-lo aqui agora já seco e bolorento; e estes odres, que enchemos de vinho, eram novos, e ei-los aqui já rotos; e estes nossos vestidos e nossos sapatos já se têm envelhecido, por causa do mui longo caminho.”

Tais afirmações prevaleceram. Os hebreus “não pediram conselho à boca do Senhor. E Josué fez paz com eles e fez um concerto com eles, que lhes daria a vida; e os príncipes da congregação lhes prestaram juramento”. Josué 9:14, 15. Assim se estabeleceu o tratado. Três dias depois descobriu-se a verdade. “Ouviram que eram seus vizinhos, e que moravam no meio deles.” Sabendo que era impossível resistir aos hebreus, os gibeonitas recorreram a esse artifício para conservar a vida.

Grande foi a indignação dos israelitas ao saberem do engano que lhes havia sido impingido. Esta indignação aumentou quando, após três dias de viagem, chegaram às cidades dos gibeonitas, próximas do centro do país. “Toda a congregação murmurava contra os príncipes”; mas estes recusaram-se a romper o tratado, embora conseguido pela fraude, porque lhes haviam jurado “pelo Senhor Deus de Israel”. “E os filhos de Israel os não feriram.” Os gibeonitas haviam-se comprometido a renunciar à idolatria, e aceitar o culto a Jeová; e a conservação de sua vida não era uma violação da ordem de Deus para destruir os idólatras cananeus. Portanto os hebreus não se comprometeram pelo seu juramento a perpetrar pecado. E, se bem que o juramento fosse conseguido pelo engano, não deveria ser desrespeitado. O dever a que fica empenhada a palavra de qualquer pessoa, deve ser considerado sagrado, caso não a obrigue à prática de um ato mau. Nenhuma consideração de lucro, desforra, ou de interesse próprio, pode de qualquer maneira afetar a inviolabilidade de um juramento ou compromisso. “Os lábios mentirosos são abomináveis ao Senhor”. Provérbios 12:22. Aquele que “subirá ao monte do Senhor”, e “estará no Seu lugar santo”, é “aquele que, mesmo que jure com dano seu, não muda”. Salmos 24:3; 15:4.

Permitiu-se aos gibeonitas que vivessem, mas ficaram como escravos ligados ao santuário, a fim de fazerem todo o trabalho servil. “E, naquele dia, Josué os deu como rachadores de lenha e tiradores de água para a congregação, e para o altar do Senhor.” Tais condições eles aceitaram com gratidão, cônscios de que haviam estado em falta, e alegres por adquirirem a vida fosse qual fosse o modo. “Eis que agora estamos na tua mão”, disseram a Josué; “faze aquilo que te pareça bom e reto que se nos faça.” Durante séculos seus descendentes estiveram ligados ao serviço do santuário.

O território dos gibeonitas compreendia quatro cidades. O povo não estava sob o governo de um rei, mas eram governados por anciãos, ou senadores. Gibeom, a mais importante de suas cidades, “era uma cidade grande como uma das cidades reais”, “e todos os seus homens valentes”. Uma prova notável do terror que os israelitas haviam inspirado aos habitantes de Canaã consistia em que o povo de tal cidade tivesse recorrido a um expediente tão humilhante para salvar a vida.

Mas teria sido melhor aos gibeonitas se houvessem tratado honestamente com Israel. Conquanto sua submissão a Jeová lhes tivesse conseguido a conservação da vidas, a fraude acarretou-lhes somente desgraça e servidão. Deus havia tomado disposições para que todos os que renunciassem ao paganismo, e se unissem a Israel, partilhassem das bênçãos do concerto. Estavam incluídos na designação “o estrangeiro que peregrina entre vós”, e com poucas exceções essa classe deveria desfrutar de favores e privilégios iguais aos de Israel. A instrução do Senhor foi: “E quando o estrangeiro peregrinar contigo na vossa terra, não o oprimireis. Como um natural entre vós será o estrangeiro que peregrina convosco; amá-lo-ás como a ti mesmo”. Levítico 19:33, 34. Com relação à Páscoa e à oferta de sacrifícios, foi ordenado: “Um mesmo estatuto haja para vós, ó congregação, e para o estrangeiro que entre vós peregrina; como vós, assim será o peregrino perante o Senhor”. Números 15:15.

Tal era a posição em que os gibeonitas poderiam ter sido recebidos, não fora o engano a que tinham recorrido. Não era pequena humilhação para aqueles cidadãos de uma “cidade real”, sendo “todos os seus homens valentes”, fazerem-se rachadores de lenha e carregadores de água por todas as suas gerações. Haviam eles, porém, adotado a aparência de pobreza com o fim de enganar, e esta se lhes fixou como distintivo de servidão perpétua. Assim, em todas as suas gerações, sua condição servil testificaria do ódio de Deus à falsidade.

A submissão de Gibeom aos israelitas encheu de pavor os reis de Canaã. Deram-se imediatamente passos para tirar-se uma desforra daqueles que fizeram paz com os invasores. Sob a chefia de Adonizedeque, rei de Jerusalém, cinco dos reis cananeus entraram em confederação contra Gibeom. Seus movimentos foram rápidos. Os gibeonitas não estavam preparados para a defesa, e enviaram uma mensagem a Josué, em Gilgal: “Não retires as tuas mãos dos teus servos; sobe apressadamente a nós, e livra-nos, e ajuda-nos, porquanto todos os reis dos amorreus, que habitam na montanha, se ajuntaram contra nós”. Josué 10:6. O perigo ameaçava não somente o povo de Gibeom, mas também Israel. Aquela cidade dominava as passagens para a Palestina central e do sul, e cumpria ser conservada, se se queria conquistar o território.

Josué preparou-se para ir logo em socorro de Gibeom. Os habitantes da cidade sitiada haviam receado que ele repelisse o seu apelo, por causa da fraude que haviam praticado; mas visto que se tinham submetido ao governo de Israel, e aceitaram o culto a Deus, ele se achou na obrigação de os proteger. Não agiu nesta ocasião sem o conselho divino, e o Senhor o animou àquele empreendimento. “Não os temas”, foi a mensagem divina, “porque os tenho dado na tua mão; nenhum deles parará diante de ti.” “Então subiu Josué de Gilgal, ele e toda a gente de guerra com ele, e todos os valentes e valorosos.”

Marchando toda a noite, trouxe suas forças diante de Gibeom pela manhã. Mal haviam os príncipes confederados reunido seus exércitos em redor da cidade, quando Josué se achou sobre eles. O ataque resultou na completa derrota dos assaltantes. A imensa hoste fugiu de diante de Josué pela garganta da montanha, acima, para Bete-Horom; e, havendo galgado a altura, lançaram-se do outro lado pela descida em precipício. Ali uma tremenda saraiva irrompeu sobre eles. “O Senhor lançou sobre eles, do céu, grandes pedras. […] E foram muitos mais os que morreram das pedras da saraiva do que os que os filhos de Israel mataram à espada.”

Enquanto os amorreus continuavam na fuga precipitada, no intuito de encontrar refúgio nas fortalezas das montanhas, Josué, olhando do alto, viu que o dia seria curto demais para a realização de sua obra. Se não fossem inteiramente derrotados os seus inimigos, de novo se arregimentariam, e renovariam a luta. “Então Josué falou ao Senhor, […] e disse aos olhos dos israelitas: Sol, detém-te em Gibeom, e tu, Lua, no vale de Aijalom. E o Sol se deteve, e a Lua parou, até que o povo se vingou de seus inimigos. […] O Sol, pois, se deteve no meio do céu, e não se apressou a pôr-se, quase um dia inteiro.”

Antes do cair da noite, a promessa de Deus a Josué fora cumprida. Toda a hoste do inimigo havia sido entregue em sua mão. Por longo tempo deviam os eventos daquele dia ficar na memória de Israel. “Não houve dia semelhante a este, nem antes nem depois dele, ouvindo o Senhor assim a voz de um homem; porque o Senhor pelejava por Israel.” “O Sol e a Lua pararam nas suas moradas; andaram à luz das Tuas flechas, ao resplendor do relâmpago da Tua lança. Com indignação marchaste pela terra, com ira trilhaste as nações. Tu saíste para salvamento do Teu povo”. Habacuque 3:11-13.

O Espírito de Deus inspirou a oração de Josué, para que de novo se pudesse dar prova do poder do Deus de Israel. Portanto o pedido não ostentou arrogância, por parte do grande líder. Josué recebera a promessa de que Deus certamente subverteria aqueles inimigos de Israel; contudo, aplicou tão decididos esforços como se o êxito dependesse unicamente dos exércitos de Israel. Fez tudo que a energia humana podia fazer, e então pela fé clamou rogando auxílio divino. O segredo do êxito está na união do poder divino com o esforço humano. Aqueles que levam a efeito os maiores resultados são os que mais implicitamente confiam no Braço todo-poderoso. O homem que ordenou: “Sol, detém-te em Gibeom, e Tu, Lua, no vale de Aijalom”, é o homem que durante horas jazeu prostrado em terra, em oração, no acampamento em Gilgal. Os homens de oração são os homens de poder.

Esse grande prodígio testifica que a criação está sob o governo do Criador. Satanás procura esconder dos homens a ação divina no mundo físico — a fim de conservar fora das vistas a incansável operação da primeira grande causa. Neste prodígio, são repreendidos todos os que exaltam a natureza acima do Deus da natureza.

Pela Sua própria vontade Deus convoca as forças da natureza para transtornar o poder de Seus inimigos: “Fogo e saraiva, neve e vapores, e vento tempestuoso que executa a Sua palavra”. Salmos 148:8. Quando os gentios amorreus se dispuseram a resistir aos Seus propósitos, Deus interveio, lançando “do céu grandes pedras” sobre os inimigos de Israel. Estamos informados de uma maior batalha a ocorrer nas cenas finais da história da Terra, quando “o Senhor abriu o Seu tesouro, e tirou os instrumentos de Sua indignação”. Jeremias 50:25. “Entraste tu”, pergunta Ele, “até aos tesouros da neve, e viste os tesouros da saraiva, que Eu retenho até ao tempo da angústia, até ao dia da peleja e da guerra?” Jó 38:22, 23.

O Revelador descreve a destruição que terá lugar quando a “grande voz do templo do Céu” anunciar: “Está feito.” Diz ele: “Sobre os homens caiu do céu uma grande saraiva, pedras do peso de um talento”. Apocalipse 16:17, 21.

Capítulo 48 — A divisão de Canaã

Este capítulo é baseado em Josué 10:40-43; 11; 14-22.

A vitória em Bete-Horom foi rapidamente seguida pela conquista do sul de Canaã. “Feriu Josué toda aquela Terra, as montanhas, o sul, e as campinas. […] E de uma vez tomou Josué todos estes reis, e as suas terras; porquanto o Senhor Deus de Israel pelejava por Israel. Então Josué, e todo o Israel com ele, se tornou ao arraial em Gilgal”.Josué 10:40-43.

As tribos do norte da Palestina, aterrorizadas com o êxito que acompanhara os exércitos de Israel, entraram agora em aliança contra eles. À frente desta confederação estava Jabim, rei de Hazor, território que ficava ao oeste do lago Merom. “Saíram pois estes, e todos os seus exércitos com eles.” Este exército era muito maior do que qualquer que os israelitas haviam encontrado antes em Canaã — “muito povo, como a areia que está na praia do mar em multidão, e muitíssimos cavalos e carros. Todos estes reis se juntaram e vieram e se acamparam junto às águas de Merom, para pelejarem contra Israel.” Novamente foi dada a Josué uma mensagem de animação: “Não temas diante deles; porque amanhã a esta mesma hora Eu os darei todos feridos diante dos filhos de Israel.”

Perto do lago Merom caiu ele sobre o acampamento dos aliados, derrotando totalmente suas forças. “E o Senhor os deu na mão de Israel, e os feriram, e os seguiram, […] até não lhes deixarem nenhum.” Dos carros e cavalos que haviam sido o orgulho e vanglória dos cananeus, Israel não se deveria apropriar. Ao mando de Deus os carros foram queimados, e aleijados os cavalos, e assim tornados impróprios para batalha. Os israelitas não deviam pôr a confiança em carros e cavalos, mas “no nome do Senhor seu Deus”.

Uma por uma foram tomadas as cidades, e Hazor, a fortaleza da confederação, foi queimada. A guerra continuou por vários anos, mas ao terminar achava-se Josué senhor de Canaã. “E a terra repousou da guerra.”

Embora o poderio dos cananeus houvesse sido quebrado, não tinham eles sido totalmente desapossados. Ao oeste, os filisteus ainda conservavam uma planície fértil ao longo da costa marítima, enquanto ao norte deles estava o território dos sidônios. O Líbano também estava de posse deste último povo; e, ao sul, na direção do Egito, a terra estava ocupada pelos inimigos de Israel.

Josué não devia entretanto continuar a guerra. Havia outro trabalho para o grande líder realizar, antes que deixasse o comando de Israel. A terra inteira, tanto as partes já conquistadas, como as que ainda não se achavam subjugadas, devia ser repartida entre as tribos. E era o dever de cada tribo conquistar completamente sua própria herança. Se o povo se mostrasse fiel a Deus, Ele repeliria seus inimigos de diante deles; e prometeu-lhes ainda maiores possessões se tão-somente fossem fiéis ao Seu concerto.

A Josué, juntamente com Eleazar, o sumo sacerdote, e aos chefes das tribos, foi confiada a distribuição da terra, sendo a localização de cada tribo determinada por sorte. O próprio Moisés fixara os limites do país, conforme devia ser dividido entre as tribos, ao entrarem elas em posse de Canaã; e designara um príncipe de cada tribo para auxiliar na distribuição. A tribo de Levi, sendo dedicada ao serviço do santuário, não deveria ser contada neste aquinhoamento; porém, quarenta e oito cidades nas diferentes partes do país foram designadas aos levitas como sua herança.

Antes que entrasse em vigor a distribuição das terras, Calebe, acompanhado pelos chefes de sua tribo, veio à frente com um pedido especial. Com exceção de Josué, Calebe era agora o homem mais velho em Israel. Calebe e Josué eram os únicos entre os espias que haviam trazido uma boa notícia da terra da promessa, animando o povo a subir e possuí-la em nome do Senhor. Calebe lembrou então a Josué a promessa feita naquela ocasião, como recompensa de sua fidelidade: “A terra que pisou o teu pé será tua, e de teus filhos, em herança perpetuamente; pois perseveraste em seguir o Senhor”. Josué 14:6-15. Apresentou portanto o pedido de que o Hebrom lhe fosse dado em possessão. Ali haviam habitado durante muitos anos Abraão, Isaque e Jacó; e, ali, na caverna de Macpela, foram sepultados. Hebrom era a sede dos temidos enaquins, cuja aparência formidável tanto havia aterrorizado os espias, e por meio destes destruíra a coragem de todo o Israel. Este lugar, de preferência a todos os outros, foi o que Calebe, confiando na força de Deus, escolheu para sua herança.

“Eis que o Senhor me conservou em vida”, disse ele; “quarenta e cinco anos há agora, desde que o Senhor falou esta palavra a Moisés. […] E agora eis que já hoje sou de idade de oitenta e cinco anos. E ainda estou tão forte como no dia em que Moisés me enviou; qual a minha força então era, tal é agora a minha força, para a guerra, e para sair e para entrar. Agora pois dá-me este monte de que o Senhor falou aquele dia; pois naquele dia tu ouviste que os enaquins estão ali, grandes e fortes cidades há ali. Porventura o Senhor será comigo para os expelir, como o Senhor disse.” Este pedido foi apoiado pelos principais homens de Judá. O próprio Calebe, sendo um dos indicados daquela tribo para repartir a terra, escolhera esses homens para que a ele se unissem ao apresentar seu pedido, para que não houvesse a aparência de ter ele empregado sua autoridade para proveito próprio.

Seu pedido foi imediatamente satisfeito. A ninguém poderia a conquista daquela gigantesca fortaleza ser com mais segurança confiada. “Josué o abençoou, e deu a Calebe, filho de Jefoné, Hebrom em herança”, “porquanto perserverara em seguir ao Senhor Deus de Israel.” A fé de Calebe era agora precisamente o que fora quando seu testemunho havia contradito o mau relato dos espias. Acreditara na promessa de Deus de que Ele poria Seu povo na posse de Canaã, e nisto seguira inteiramente ao Senhor. Suportara juntamente com Seu povo a longa peregrinação no deserto, participando assim dos desapontamentos e trabalhos dos culpados; não apresentou contudo queixa contra isto, mas exaltou a misericórdia de Deus que o preservara em vida no deserto, quando foram eliminados seus irmãos. Entre todas as dificuldades, perigos e pragas, nas vagueações pelo deserto, e durante os anos de guerra desde que entraram em Canaã, preservara-o o Senhor; e agora, passados os oitenta anos, não se encontrava abatido o seu vigor. Ele não pedia para si uma terra já conquistada, mas o lugar que mais do que todos, os outros espias haviam julgado impossível subjugar. Com a ajuda de Deus ele arrancaria essa fortaleza daqueles mesmos gigantes, cujo poder fizera abalar a fé de Israel. Não foi o desejo de honras ou engrandecimento próprio que determinou o pedido de Calebe. O bravo e velho guerreiro estava desejoso de dar ao povo um exemplo que honraria a Deus, e incentivaria as tribos a subjugar completamente a terra que seus pais haviam imaginado invencível.

Calebe obteve a herança na qual tinha o coração durante quarenta anos; e, confiando em que Deus estava consigo, “expeliu Calebe dali os três filhos de Enaque”. Josué 15:14. Havendo assim conseguido posse para si e sua casa, o zelo não se lhe abateu; não se estabeleceu a fim de desfrutar a herança, mas levou avante novas conquistas para o benefício da nação e para a glória de Deus.

Os covardes e rebeldes haviam perecido no deserto; mas os espias justos comeram das uvas de Escol. A cada um deles foi dado segundo sua fé. Os incrédulos viram cumprir-se seus temores. Apesar da promessa de Deus, declararam que era impossível herdar Canaã, e não a possuíram. Mas aqueles que confiaram em Deus, não olhando tanto para as dificuldade a se encontrarem, como para a força de seu Auxiliador todo-poderoso, entraram na boa terra. Foi pela fé que os antigos heróis “venceram reinos, […] escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fugida os exércitos dos estranhos”. Hebreus 11:33, 34. “Esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé”. 1 João 5:4.

Outro pedido com relação à divisão da terra, revelou um espírito grandemente diverso do de Calebe. Foi apresentado pelos filhos de José, da tribo de Efraim juntamente com a meia tribo de Manassés. Em consideração ao seu número superior, essas tribos pediram uma porção dupla de território. O quinhão a eles designado era o mais rico da terra, incluindo a fértil planície de Sarom; porém muitas das cidades principais do vale estavam ainda de posse dos cananeus, e as tribos temiam executar a perigosa tarefa de conquistar suas possessões, e desejavam uma porção adicional de território já conquistado. A tribo de Efraim era uma das maiores em Israel, bem como aquela a que o próprio Josué pertencia; e seus membros naturalmente se julgavam com direito a consideração especial. “Por que me deste por herança só uma sorte e um quinhão”, disseram eles, “sendo eu um tão grande povo?” Josué 17:14-18. Mas nenhum desvio da estrita justiça poder-se-ia obter do inflexível líder.

Sua resposta foi: “Se tão grande povo és, sobe ao bosque e corta para ti ali lugar na terra dos ferezeus e dos refains, pois que as montanhas de Efraim te são tão estreitas”. Josué 17:15.

Sua réplica mostrou a causa real da queixa. Faltavam-lhe fé e coragem para expulsar os cananeus. “As montanhas nos não bastariam”, disseram; “também carros ferrados há entre todos os cananeus que habitam na terra do vale”. Josué 17:16.

O poder do Deus de Israel tinha sido empenhado em favor de Seu povo; e, caso possuíssem os efraimitas a coragem e a fé de Calebe, nenhum inimigo lhes teria feito frente. Seu desejo evidente de excluir dificuldades e perigos, foi com firmeza defrontado por Josué. “Grande povo és e grande força tens”, disse ele; “expelirás os cananeus, ainda que tenham carros ferrados, ainda que sejam fortes”. Josué 17:17, 18. Assim, seus próprios argumentos voltaram-se contra eles. Sendo um povo grande, como alegavam, eram perfeitamente capazes de seguir seu próprio caminho, como fizeram seus irmãos. Com o auxílio de Deus, não necessitavam temer os carros de ferro.

Até ali Gilgal fora o quartel-general da nação e a sede do tabernáculo. Agora, porém, o tabernáculo devia ser removido ao lugar escolhido para a sua localização permanente. Este foi Siló, cidadezinha na porção de Efraim. Achava-se perto do centro do país, e era de fácil acesso a todas as tribos. Ali, parte do território havia sido completamente subjugada, de maneira que os adoradores não seriam incomodados. “E toda a congregação dos filhos de Israel se ajuntou em Siló, e ali armaram a tenda da congregação”. Josué 18:1. As tribos que ainda estavam acampadas quando o tabernáculo foi removido de Gilgal, seguiram-no, e armaram suas tendas próximo de Siló. Ali permaneceram essas tribos até que se dispersaram às suas possessões.

A arca ficou em Siló, durante trezentos anos, até que, por causa dos pecados da casa de Eli, caiu nas mãos dos filisteus, e Siló foi arruinada. A arca nunca mais voltou ao tabernáculo ali; o cerimonial do santuário transferiu-se finalmente para o templo em Jerusalém, e Siló tornou-se decadente. Apenas ruínas existem para assinalar o local em que se erguera. Muito tempo mais tarde fez-se uso de sua sorte como advertência a Jerusalém. “Ide agora ao Meu lugar, que estava em Siló”, declarou o Senhor pelo profeta Jeremias, “onde, a princípio, fiz habitar o Meu nome, e vede o que lhe fiz, por causa da maldade de Meu povo Israel. […] Farei também a esta casa que se chama pelo Meu nome, na qual confiais, e a este lugar que vos dei a vós e a vossos pais, como fiz a Siló”. Jeremias 7:12, 14.

“Acabando pois de repartir a terra”, e tendo todas as tribos sido aquinhoadas com sua herança, Josué apresentou seu pedido. A ele, bem como a Calebe, fora feita uma promessa especial de herança; contudo não pediu uma província extensa, mas tão-somente uma simples cidade. “Deram-lhe a cidade que pediu, […] e reedificou aquela cidade, e habitou nela”. Josué 19:49, 50. O nome dado à cidade foi: Timnate-Sera, “a porção que resta”, e isto em testemunho permanente do caráter nobre e espírito abnegado do vencedor, que, em vez de ser o primeiro a apropriar-se dos despojos da conquista, adiou seu pedido até que os mais humildes de seu povo houvessem sido servidos.

Seis das cidades designadas aos levitas, sendo três de cada lado do Jordão, foram indicadas como cidades de refúgio, às quais os que matavam um homem poderiam fugir em busca de segurança. A designação dessas cidades fora ordenada por Moisés, “para que ali se acolha o homicida que ferir alguma alma por erro. E estas cidades vos serão por refúgio”, disse ele, “para que o homicida não morra, até que esteja perante a congregação no juízo”. Números 35:11, 12. Esta misericordiosa disposição tornou-se necessária por causa do antigo costume da vingança particular, pelo qual incumbia ao parente mais próximo, ou ao herdeiro imediato do morto, o castigo do assassínio. Nos casos em que claramente se provava a culpa, não era necessário esperar processo dos magistrados. O vingador podia perseguir o criminoso a qualquer parte, e matá-lo onde quer que fosse encontrado. O Senhor não achou conveniente abolir este costume naquela ocasião; mas tomou providências para garantir a segurança dos que, acidentalmente, tirassem a vida.

As cidades de refúgio achavam-se distribuídas de tal maneira que ficavam dentro do raio de meio dia de viagem, a partir de qualquer lugar da terra. As estradas que a elas se dirigiam deviam sempre ser conservadas em bom estado; ao longo de todo o caminho deviam ser erguidos postes com placas, trazendo em caracteres claros e flagrantes a palavra — “Refúgio”, a fim de que o fugitivo não tivesse de deter-se por um momento sequer. Qualquer pessoa — hebreu, estrangeiro ou peregrino — poderia aproveitar-se desta disposição. Mas, ao mesmo tempo em que o inocente não devia ser precipitadamente morto, tampouco deveria o culpado escapar do castigo. O caso do fugitivo cumpria ser devidamente julgado pelas autoridades competentes; e, unicamente quando se verificasse não ter o fugitivo culpa de assassínio voluntário, devia ele ser protegido na cidade de refúgio. O que era culpado era entregue ao vingador. E aqueles que tinham direito à proteção, apenas a poderiam receber sob condição de ficar dentro do refúgio indicado. Se alguém andasse fora dos limites prescritos, e fosse encontrado pelo vingador do sangue, sua vida pagaria a pena de seu desrespeito à disposição do Senhor. Por ocasião da morte do sumo sacerdote, entretanto, todos os que haviam buscado abrigo nas cidades de refúgio ficavam em liberdade para voltar às suas possessões.

No processo de assassínio o acusado não devia ser condenado pelo depoimento de uma testemunha, mesmo que as evidências circunstanciais fossem fortes contra ele. A instrução do Senhor era: “Todo aquele que ferir a alguma pessoa, conforme ao dito das testemunhas, matarão o homicida; mas uma só testemunha não testemunhará contra alguém, para que morra”. Números 35:30. Foi Cristo que deu a Moisés aquelas determinações para Israel; e, quando Ele esteve em pessoa com Seus discípulos na Terra, ao ensinar-lhes como tratar os que erram, repetiu o grande Ensinador a lição de que o testemunho de um só homem não deve livrar ou condenar. As idéias e opiniões de um homem não devem resolver questões controvertidas. Em todos estes assuntos, dois ou mais devem estar associados, e juntos encarar a responsabilidade, “para que pela boca de duas ou três testemunhas toda a palavra seja confirmada”. Mateus 18:16.

Se aquele que era julgado por motivo de assassínio se verificava culpado, nenhuma expiação ou resgate o poderia livrar. “Quem derramar o sangue do homem, pelo homem o seu sangue será derramado”. Gênesis 9:6. “Não tomareis expiação pela vida do homicida, que culpado está de morte; antes certamente morrerá”, “tirá-lo-ás do Meu altar para que morra” (Números 35:31, 33), foi a ordem de Deus; “nenhuma expiação se fará pela terra por causa do sangue que se derramar nela, senão com o sangue daquele que o derramou”. Êxodo 21:14. A segurança e pureza da nação exigiam que o pecado de homicídio fosse severamente punido. A vida humana, que apenas Deus podia dar, devia, de maneira sagrada, ser guardada.

As cidades de refúgio designadas ao antigo povo de Deus, eram símbolo do refúgio provido em Cristo. O mesmo Salvador misericordioso que designara aquelas cidades temporais de refúgio, proveu pelo derramamento de Seu próprio sangue aos transgressores da lei de Deus um retiro seguro, aonde podem eles fugir em busca de garantia contra a segunda morte. Nenhuma força pode tirar de Suas mãos as almas que a Ele recorrem em busca de perdão. “Portanto agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus.” “Quem os condenará? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós” (Romanos 8:1, 34); para que “tenhamos a firme consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta”. Hebreus 6:18.

Aquele que fugia para a cidade de refúgio não se podia demorar. Família e emprego atrás ficavam. Não havia tempo para dizer adeus aos queridos. Sua vida estava em jogo, e todos os outros interesses deviam ser sacrificados a um único propósito — chegar ao lugar de segurança. O cansaço era esquecido, desatendidas as dificuldades. O fugitivo não ousava por um momento moderar seu passo antes que estivesse dentro dos muros da cidade.

O pecador está exposto à morte eterna, até que encontre esconderijo em Cristo; e, como a perda de tempo e o descuido poderiam despojar o fugitivo de sua única oportunidade de vida, assim a demora e a indiferença podem mostrar-se ruína para a alma. Satanás, o grande adversário, está no encalço de todo o transgressor da santa lei de Deus, e aquele que não for sensível ao seu perigo e não buscar ansiosamente abrigo no refúgio eterno, será uma presa do destruidor.

O prisioneiro que em qualquer ocasião saía da cidade de refúgio, era abandonado ao vingador do sangue. Assim o povo foi ensinado a aderir aos métodos que a sabedoria infinita indicava para a sua segurança. Da mesma forma, não basta que o pecador creia em Cristo, para obter o perdão do pecado; deve, pela fé e obediência,permanecer nEle. “Porque, se pecarmos voluntariamente, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados, mas uma certa expectação horrível de juízo, e ardor de fogo, que há de devorar os adversários”. Hebreus 10:26, 27.

Duas das tribos de Israel, Gade e Rúben, com meia tribo de Manassés, haviam recebido sua herança antes de atravessarem o Jordão. Para um povo pastoril, os vastos planaltos e ricas florestas de Gileade e Basã, oferecendo extensas terras de pastagens para seus rebanhos e gado, tinham atrações que se não encontravam na própria Canaã; e as duas e meia tribos, desejando fixar-se ali, comprometeram-se a fornecer sua proporção de homens armados para acompanharem seus irmãos através do Jordão, e participar de suas batalhas até que entrassem também para a sua herança. Desobrigaram-se fielmente deste dever. Quando as dez tribos entraram em Canaã, quarenta mil dos “filhos de Rúben, e os filhos de Gade, e a meia tribo de Manassés, […] armados passaram diante do Senhor para batalha, às campinas de Jericó”. Josué 4:12, 13. Durante anos haviam combatido com bravura ao lado de seus irmãos. Chegado era agora o tempo para virem à terra de sua posse. Visto como se uniram com seus irmãos nos conflitos, partilharam dos despojos; e voltaram “com grandes riquezas, e com muitíssimo gado, com prata, e com ouro, e com metal, e com ferro, e com muitíssimos vestidos”, coisas que deviam repartir com os que tinham ficado com as famílias e rebanhos.

Deviam agora morar distante do santuário do Senhor, e foi com o coração apreensivo que Josué assistiu à sua partida, sabendo quão fortes seriam as tentações, em sua vida isolada e errante, para caírem nos costumes das tribos gentílicas que habitavam nas suas fronteiras.

Enquanto a mente de Josué e as de outros chefes ainda estavam oprimidas pelos maus pressentimentos, notícias estranhas lhes chegavam. Além do Jordão, próximo do lugar da passagem miraculosa de Israel pelo rio, as duas e meia tribos haviam construído um grande altar, semelhante ao altar dos holocaustos em Siló. A lei de Deus proibia, sob pena de morte, o estabelecimento de outro culto, afora o que se efetuava no santuário. Se tal era o objetivo daquele altar, desviaria ele o povo da verdadeira fé, caso fosse permitida sua permanência.

Os representantes do povo, reunidos em Siló, e no calor de sua exaltação e indignação, propuseram fazer guerra imediata aos transgressores. Pela influência dos mais cautelosos, foi entretanto, decidido enviar primeiramente uma delegação para obter das duas e meia tribos explicação de sua conduta. Escolheram-se dez príncipes, sendo um de cada tribo. À sua frente achava-se Finéias, que se distinguira por seu zelo nos acontecimentos de Peor.

As duas e meia tribos haviam estado em falta, cometendo um ato que dava lugar a tão graves suspeitas, sem que dessem explicações para tal. Os embaixadores, tomando como coisa certa que seus irmãos estavam em culpa, a eles se dirigiram com ásperas censuras. Acusaram-nos de rebelar-se contra o Senhor, e mandaram que se lembrassem como juízos haviam sobrevindo a Israel por se unir a Baal-Peor. Em favor de todo o Israel, Finéias declarou aos filhos de Gade e Rúben que, se eles não desejavam habitar naquela terra sem um altar para sacrifício, seriam bem-vindos na participação das posses e privilégios de seus irmãos do outro lado.

Em resposta, os acusados explicaram que seu altar não se destinava a sacrifícios, mas simplesmente a ser uma testemunha de que, embora separados pelo rio, eram eles da mesma fé que seus irmãos de Canaã. Tinham receado que nos anos futuros pudessem seus filhos ser excluídos do tabernáculo, como que não tendo parte em Israel. Então, esse altar, construído segundo o modelo do altar do Senhor em Siló, seria uma testemunha de que seus construtores eram também adoradores do Deus vivo.

Com grande alegria os embaixadores aceitaram essa explicação, e imediatamente trouxeram de volta a notícia àqueles que os haviam enviado. Dissiparam-se todos os pensamentos de guerra, e o povo uniu-se em regozijo e louvor a Deus.

Os filhos de Gade e Rúben puseram agora em seu altar uma inscrição indicando o propósito pelo qual foi o mesmo construído; e disseram: “Para que seja testemunho entre nós que o Senhor é Deus.” Assim se esforçaram por evitar equívocos futuros, e remover o que pudesse ser causa de tentação.

Quantas vezes sérias dificuldades surgem de uma simples má compreensão, mesmo entre aqueles que são impelidos pelos mais dignos intuitos; e, sem o exercício da cortesia e paciência, que resultados sérios e mesmo fatais podem seguir-se! As dez tribos lembraram como no caso de Acã, Deus repreendera a falta de vigilância para se descobrirem os pecados existentes entre eles. Agora resolveram agir pronta e seriamente; mas, procurando evitar seu primeiro erro, foram para o extremo oposto. Em vez de fazerem uma indagação cortês a fim de conhecerem os fatos reais, defrontaram seus irmãos com censura e condenação. Houvessem os homens de Gade e Rúben retorquido no mesmo espírito, a guerra teria sido o resultado. Ao mesmo tempo que é importante que de um lado seja evitada a frouxidão ao tratar com o pecado, é igualmente de importância que do outro se evite um juízo ríspido e infundada suspeita.

Conquanto muitos sejam bastante sensíveis à menor censura com relação à sua conduta, são demasiadamente severos ao tratar com aqueles que supõem estar em erro. Ninguém foi jamais recuperado de uma situação errônea, pela censura e acusação; mas muitos são assim mais repelidos do caminho direito, e levados a endurecer o coração contra a convicção. Um espírito de bondade, uma conduta cortês, paciente, podem salvar os que erram, e cobrir uma multidão de pecados.

A sabedoria mostrada pelos rubenitas e seus companheiros é digna de imitação. Ao mesmo tempo em que procuravam honestamente promover a causa da verdadeira religião, eram julgados falsamente e censurados com severidade; não manifestaram, todavia, ressentimento. Escutaram com cortesia e paciência as acusações de seus irmãos, antes de tentarem fazer sua defesa, e, então, explicaram amplamente seus intuitos e mostraram sua inocência. Assim a dificuldade que ameaçara conseqüências tão sérias, foi resolvida amigavelmente.

Mesmo sob uma acusação falsa, aqueles que estão com a razão podem estar calmos e ponderados. Deus está a par de tudo que é mal-compreendido e mal-interpretado pelos homens, e podemos com segurança deixar nosso caso em Suas mãos. Tão certamente reivindicará Ele a causa dos que nEle põem sua confiança, como investigou o crime de Acã. Aqueles que são compelidos pelo Espírito de Cristo, possuirão a caridade que é longânima e benévola.

É vontade de Deus que a união e o amor fraternal existam entre Seu povo. A oração de Cristo, precisamente antes de Sua crucifixão, foi para que Seus discípulos fossem um como Ele é um com o Pai, a fim de que o mundo pudesse crer que Deus O enviara. Essa oração mui tocante e maravilhosa atravessa os séculos, até mesmo aos nossos dias; pois Suas palavras foram: “Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela sua palavra hão de crer em Mim”. João 17:20. Conquanto não devamos sacrificar um único princípio da verdade, deve ser nosso constante objetivo atingir este estado de unidade. Esta é a prova de nosso discipulado. Disse Jesus: “Nisto todos conhecerão que sois Meus discípulos, se vos amardes uns aos outros”. João 13:35. O apóstolo Pedro exorta a igreja: “Sede todos de um mesmo sentimento, compassivos, amando os irmãos, entranhavelmente misericordiosos e afáveis, não tornando mal por mal, ou injúria por injúria; antes pelo contrário, bendizendo; sabendo que para isto fostes chamados, para que por herança alcanceis a bênção”. 1 Pedro 3:8, 9.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s