PROFETAS E REIS, cap. 2

Capítulo 2 — O templo e sua dedicação

Salomão pôs em execução sabiamente o plano tão longamente acariciado por Davi, de construir um templo ao Senhor. Durante sete anos Jerusalém esteve repleta de ocupados obreiros, empenhados em aplainar o local escolhido, abrir as grandes valas, assentar os amplos fundamentos — “pedras grandes, e pedras preciosas, pedras lavradas” (1 Reis 5:17), talhar os pesados troncos vindos das florestas do Líbano, erguer o magnificente santuário.

Simultaneamente com a preparação da madeira e pedra, em cuja tarefa muitos milhares estavam aplicando suas energias, a manufatura do mobiliário para o templo ia progredindo constantemente, sob a liderança de Hirão, de Tiro, “um homem sábio de grande entendimento, […]” hábil para “lavrar em ouro, e em prata, em bronze, em ferro, em pedras e em madeira, em púrpura, em azul, e em linho fino, e em carmesim”. 2 Crônicas 2:13, 14.

Assim, à medida que o edifício sobre o Monte Moriá ia sendo silenciosamente erguido com pedras preparadas, “de maneira que nem martelo, nem machado, nem nenhum outro instrumento de ferro se ouviu na casa quando a edificavam” (1 Reis 6:7), os belos utensílios eram trabalhados conforme os modelos entregues por Davi a seu filho — “todos os vasos que eram para a casa de Deus”. 2 Crônicas 4:19. Eles compreendiam o altar de incenso, a mesa dos pães da proposição, o castiçal com as lâmpadas, os vasos e instrumentos relacionados com a ministração dos sacerdotes no lugar santo — tudo “de ouro, do mais perfeito ouro”. 2 Crônicas 4:21. O mobiliário de bronze — o altar de ofertas queimadas, o grande lavatório sobre doze bois, as pias de menor tamanho, com muitos outros vasos — “na campina do Jordão os fundiu o rei na terra argilosa, entre Sucote e Zeredá”. 2 Crônicas 4:17. Esse mobiliário foi provido em abundância, para que não houvesse falta.

De inexcedível beleza e inigualável esplendor era o régio edifício que Salomão e seus homens construíram a Deus e ao Seu culto. Guarnecido de pedras preciosas, circundado por espaçosos átrios com magnificentes vias de acesso, revestido de cedro lavrado e ouro polido, a estrutura do templo, com suas cortinas bordadas e rico mobiliário, era apropriado emblema da igreja viva de Deus na Terra, a qual tem sido edificada através dos séculos segundo o modelo divino, com material que se tem comparado ao “ouro, prata e pedras preciosas”, “lavradas como colunas de um palácio”. Deste templo espiritual Cristo “é a principal pedra de esquina; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor”. Efésios 2:20, 21.

Afinal o templo planejado pelo rei Davi e construído por seu filho Salomão estava concluído. “Tudo quanto Salomão intentou fazer na casa do Senhor e na sua casa, prosperamente o efetuou”. 2 Crônicas 7:11. E agora, para que o palácio que coroava as elevações do Monte Moriá pudesse ser, sem dúvida, como Davi havia desejado, um lugar de habitação não “para homem, senão para o Senhor Deus” (1 Crônicas 29:1), restava a solene cerimônia da dedicação formal a Jeová e Seu culto.

O local em que o templo fora construído era, havia muito, considerado sagrado. Foi ali que Abraão, o pai dos fiéis, revelara sua disposição de sacrificar seu único filho, em obediência à ordem de Jeová. Ali renovara Deus com Abraão o concerto de bênção, que incluía a gloriosa promessa messiânica feita à espécie humana, de libertamento por meio do sacrifício do Filho do Altíssimo. Foi ali que, quando Davi ofereceu sacrifícios queimados e ofertas pacíficas para deter a espada punitiva do anjo destruidor, Deus lhe respondeu com fogo enviado do Céu. 1 Crônicas 21. E agora os adoradores de Jeová mais uma vez ali estavam, para encontrar-se com seu Deus e renovar-Lhe os votos de fidelidade.

O tempo escolhido para a dedicação fora o mais favorável — o sétimo mês, quando o povo de todas as partes do reino estava acostumado a reunir-se em Jerusalém para celebrar a Festa dos Tabernáculos. Esta festa era preeminentemente uma ocasião de regozijo. Os labores da colheita haviam findado, as atividades do novo ano ainda não começara, o povo estava livre de cuidados e podia abandonar-se às influências sagradas, jubilosas do momento.

No tempo indicado, as tribos de Israel, com representantes de muitas nações estrangeiras ricamente vestidos, reuniram-se nos átrios do templo. A cena era de esplendor incomum. Salomão, com os anciãos de Israel, e os mais influentes homens dentre o povo, retornaram de outra parte da cidade, de onde haviam trazido a arca do testamento. Do santuário nos altos de Gibeom tinha sido transferida a antiga “tenda da congregação, com todos os vasos sagrados, que estavam na tenda” (2 Crônicas 5:5); e esses queridos relicários das mais remotas experiências dos filhos de Israel durante seu vaguear no deserto e a conquista de Canaã, encontravam agora uma morada permanente no esplêndido edifício que fora construído para ocupar o lugar da estrutura portátil.

Levando ao templo a arca sagrada que continha as duas tábuas de pedra em que, pelo dedo de Deus, haviam sido escritos os preceitos do decálogo, Salomão seguira o exemplo de seu pai Davi. A cada seis passos oferecia sacrifícios; e com canto e música e com grande cerimônia, “trouxeram os sacerdotes a arca do concerto do Senhor ao seu lugar, ao oráculo da casa, à santidade das santidades”. 2 Crônicas 5:7. Ao penetrarem no interior do santuário, tomaram os lugares que lhes eram designados. Os cantores — levitas vestidos de linho branco, com címbalos, e com alaúdes, e com harpas — permaneceram de pé para o oriente do altar, e com eles até cento e vinte sacerdotes que tocavam as trombetas. 2 Crônicas 5:12.

“Eles uniformemente tocavam as trombetas, e cantavam para fazerem ouvir uma só voz, bendizendo e louvando ao Senhor; e levantando eles a voz com trombetas, e címbalos, e outros instrumentos músicos, e bendizendo ao Senhor, porque era bom, porque a Sua benignidade durava para sempre, a casa se encheu de uma nuvem, a saber, a casa do Senhor, e não podiam os sacerdotes ter-se em pé, para ministrar, por causa da nuvem, porque a glória do Senhor encheu a casa de Deus”. 2 Crônicas 5:13, 14.

Compreendendo o significado desta nuvem, Salomão declarou: “O Senhor tem dito que habitaria nas trevas. E eu Te tenho edificado uma casa para morada, e um lugar para a Tua eterna habitação”. 2 Crônicas 6:1, 2.

“O Senhor reina; Tremam as nações;

Ele está entronizado entre os querubins; comova-se a Terra.

O Senhor é grande em Sião, e mais elevado que todas as nações.

Louvem o Teu nome, grande e tremendo, pois é santo. […]

Exaltai ao Senhor nosso Deus, e prostrai-vos diante do escabelo de Seus pés, porque Ele é santo”.

Salmos 99:1-5.

“No meio do pátio” do templo havia sido erguida “uma base de metal”, ou plataforma, “de cinco côvados de comprimento, e de cinco côvados de largura, e de três côvados de altura”. Sobre esta base Salomão pôs-se em pé, e com as mãos erguidas abençoou a vasta multidão que tinha diante de si. “E toda a congregação de Israel estava em pé”. 2 Crônicas 6:13, 3.

“Bendito seja o Senhor Deus de Israel”, exclamou Salomão, “que falou pela Sua boca a Davi meu pai, e pelas Suas mãos o cumpriu, dizendo: Escolhi Jerusalém, para que ali estivesse o Meu nome”. 2 Crônicas 6:4, 6.

Salomão pôs-se então de joelhos na plataforma, e aos ouvidos de todo o povo ofereceu a oração dedicatória. Levantando as mãos para o céu, enquanto a congregação permanecia ajoelhada com a face para o chão, o rei suplicou: “Senhor Deus de Israel, não há Deus semelhante a Ti, nem nos Céus nem na Terra; que guardas o concerto e a beneficência aos Teus servos que caminham perante Ti de todo o seu coração”.

“Mas verdadeiramente habitará Deus com os homens na Terra? Eis que o Céu e o Céu dos Céus não Te podem conter, quanto menos esta casa que tenho edificado? Atende pois à oração do Teu servo, e à sua súplica, ó Senhor meu Deus, para ouvires o clamor, e a oração que o Teu servo ora perante Ti. Que os Teus olhos estejam dia e noite abertos sobre este lugar, de que dissestes que ali porias o Teu nome, para ouvires a oração que o Teu servo orar neste lugar. Ouve, pois, as súplicas do Teu servo, e do Teu povo Israel, que fizerem neste lugar; e ouve Tu do lugar da Tua habitação, desde os Céus; ouve pois, e perdoa. […]

“Quando também o Teu povo Israel for ferido diante do inimigo, por ter pecado contra Ti, e eles se converterem, e confessarem o Teu nome, e orarem, e suplicarem perante Ti nesta casa, então ouve Tu desde os Céus, e perdoa os pecados de Teu povo Israel; e faze-os tornar à terra que lhes tens dado a eles e a seus pais.

“Quando os céus se cerrarem, e não houver chuva, por terem pecado contra Ti, e orarem neste lugar, e confessarem Teu nome, e se converterem dos seus pecados, quando Tu os afligires, então ouve Tu desde os Céus, e perdoa o pecado de Teus servos, e do Teu povo Israel, ensinando-lhes o bom caminho, em que andem; e dá chuva sobre a Tua terra, que deste ao Teu povo em herança.

“Havendo fome na terra, havendo peste, havendo queimadura dos trigos, ou ferrugem, gafanhotos, ou lagarta, cercando-a algum dos seus inimigos nas terras das suas portas, ou quando houver qualquer praga, ou qualquer enfermidade, toda a oração, e toda a súplica, que qualquer homem fizer, ou todo o Teu povo Israel, conhecendo cada um a sua praga e a sua dor, e estendendo as suas mãos para esta casa, então ouve Tu desde os Céus, do assento da Tua habitação, e perdoa e dá a cada um conforme a todos os seus caminhos, segundo conheces o seu coração […] a fim de que Te temam, para andarem nos Teus caminhos, todos os dias que viverem na terra que deste a nossos pais.

“Assim também ao estrangeiro, que não for do Teu povo Israel, mas vier de terras remotas por amor do Teu grande nome, e da Tua poderosa mão, e do Teu braço estendido, vindo eles e orando nesta casa, então ouve Tu desde os Céus, do assento da Tua habitação, e faze conforme a tudo o que o estrangeiro Te suplicar, a fim de que todos os povos da Terra conheçam o Teu nome, e Te temam, como o Teu povo Israel; e a fim de saberem que pelo Teu nome é chamada esta casa que edifiquei.

“Quando o Teu povo sair à guerra contra os seus inimigos, pelo caminho que os enviares, e orarem a Ti para a banda desta cidade, que escolheste, e desta casa, que edifiquei ao Teu nome. Ouve então desde os Céus a sua oração, e sua súplica, e executa o seu direito.

“Quando pecarem contra Ti (pois não há homem que não peque), e Tu Te indignares contra eles, e os entregares diante do inimigo, para que os que os cativarem os levem em cativeiro para alguma terra, remota ou vizinha, e na terra, para onde forem levados em cativeiro, tornarem a si, e se converterem, e na terra do seu cativeiro a Ti suplicarem, dizendo: Pecamos, perversamente fizemos, e impiamente obramos; e se converterem a Ti com todo o seu coração e com toda a sua alma, na terra do seu cativeiro, a que os levarem presos, e orarem para a banda da sua terra, que deste a seus pais, e desta cidade que escolheste, e desta casa que edifiquei ao Teu nome, ouve então desde os Céus, do assento da Tua habitação, a sua oração e as suas súplicas, e executa o seu direito; e perdoa ao Teu povo que houver pecado contra Ti.

“Agora pois, ó meu Deus, estejam os Teus olhos abertos, e os Teus ouvidos atentos à oração deste lugar. Levanta-Te pois agora, Senhor Deus, para o Teu repouso, Tu e a arca da Tua fortaleza; os teus sacerdotes, ó Senhor Deus, sejam vestidos de salvação, e os Teus santos se alegrem do bem. Ah Senhor Deus, não faças virar o rosto do Teu ungido; lembra-Te das misericórdias de Davi Teu servo”. 2 Crônicas 6:14-42.

Acabando Salomão de orar, “desceu o fogo do Céu, e consumiu o holocausto e os sacrifícios”. Os sacerdotes não podiam entrar no templo, porque “a glória do Senhor encheu a casa do Senhor. E todos os filhos de Israel, vendo descer o fogo, e a glória do Senhor sobre a casa, encurvaram-se com o rosto em terra sobre o pavimento, e adoraram e louvaram ao Senhor; porque é bom, porque a Sua benignidade dura para sempre”.

Então o rei e o povo ofereceram sacrifícios perante o Senhor. “E o rei e todo o povo consagraram a casa de Deus”. 2 Crônicas 7:1-5. Durante sete dias as multidões de todas as partes do reino, “desde a entrada de Hamate, até ao rio do Egito”, “uma mui grande congregação” celebrou uma jubilosa festa. A semana seguinte foi pela feliz multidão dedicada à celebração da Festa dos Tabernáculos. Findo o tempo de reconsagração e júbilo, o povo retornou a seus lares, alegre “e de bom ânimo, pelo bem que o Senhor tinha feito a Davi, e a Salomão, e a Seu povo Israel”. 2 Crônicas 7:8, 10.

O rei havia feito o que estava em suas forças para encorajar o povo a render-se inteiramente a Deus e Seu serviço, e a magnificar Seu santo nome. E agora uma vez mais, como no início de seu reinado em Gibeom, ao rei de Israel fora dada evidência da divina aceitação e bênção. Numa visão noturna, o Senhor lhe apareceu com a mensagem: “Ouvi tua oração, e escolhi para Mim este lugar para casa de sacrifício. Se Eu cerrar os céus, e não houver chuva; ou se ordenar aos gafanhotos que consumam a terra; ou se enviar a peste entre o Meu povo; e se o Meu povo, que se chama pelo Meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a Minha face e se converter dos seus maus caminhos, então Eu ouvirei dos Céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra. Agora estarão abertos os Meus olhos e atentos os Meus ouvidos à oração deste lugar. Porque agora escolhi e santifiquei esta casa, para que o Meu nome esteja nela perpetuamente; e nela estarão fixos os Meus olhos e o Meu coração todos os dias”. 2 Crônicas 7:12-16.

Tivesse Israel permanecido leal a Deus e este glorioso edifício teria permanecido para sempre, como perpétuo sinal de especial favor de Deus a Seu povo escolhido. “E aos filhos dos estrangeiros”, declarou Deus, “que se chegarem ao Senhor, para O servirem, e para amarem o nome do Senhor, sendo deste modo servos Seus, todos os que guardarem o sábado, não o profanando, e os que abraçarem o Meu concerto, também os levarei ao Meu santo monte, e os festejarei na Minha casa de oração; os seus holocaustos e os seus sacrifícios serão aceitos no Meu altar, porque a Minha casa será chamada casa de oração para todos os povos”. Isaías 56:6, 7.

Em conexão com a certeza de aceitação, o Senhor tornou claro o caminho do dever perante o rei. “E, quanto a ti”, Ele declarou, “se andares diante de Mim, como andou Davi teu pai, e fizeres conforme a tudo que te ordenei e guardares os Meus estatutos e os Meus juízos, também confirmarei o trono do teu reino, conforme o concerto que fiz com Davi, teu pai, dizendo: Não te faltará varão que domine em Israel”. 2 Crônicas 7:17, 18.

Tivesse Salomão continuado a servir ao Senhor em humildade, todo o seu reinado teria exercido poderosa influência para o bem sobre as nações circunvizinhas — nações que tinham sido tão favoravelmente impressionadas pelo reinado de Davi, seu pai, e pelas sábias palavras e magnificentes obras dos primeiros anos de seu próprio reinado. Prevendo as terríveis tentações que acompanham a prosperidade e honras mundanas, Deus advertiu Salomão contra o mal da apostasia, e predisse os terríveis resultados do pecado. Até mesmo o belo templo que havia sido dedicado, declarou Ele, se tornaria como “provérbio e mote entre todas as gentes”, se Israel deixasse “ao Senhor Deus de seus pais” (2 Crônicas 7:20-22), se persistisse na idolatria.

Fortalecido no coração e grandemente animado pela mensagem do Céu de que sua oração em favor do povo havia sido ouvida, Salomão entrava agora para o mais glorioso período de seu reinado, quando “todos os reis da Terra” começaram a buscar sua presença, “para ouvirem a sua sabedoria, que Deus lhe dera no seu coração”. 2 Crônicas 9:23. Muitos vinham para ver o sistema de seu governo e para receber instrução quanto à maneira de se conduzirem nos assuntos difíceis.

Visitando essas pessoas a Salomão, ensinava-lhes ele a respeito de Deus como Criador de todas as coisas, e elas retornavam a seus lares com uma concepção mais clara do Deus de Israel, e de Seu amor pela raça humana. Nas obras da natureza contemplavam agora a expressão de Seu amor e uma revelação de Seu caráter; e muitos eram levados a adorá-Lo como seu Deus.

A humildade de Salomão ao tempo em que começou a levar a carga do Estado, quando ele reconheceu perante Deus: “Sou ainda menino pequeno” (1 Reis 3:7); seu marcado amor a Deus, profunda reverência pelas coisas divinas, sua desconfiança de si mesmo e exaltação do infinito Criador de tudo — todos esses traços de caráter tão dignos de emulação, foram revelados durante os serviços relacionados com a conclusão do templo, quando durante sua oração dedicatória ele se ajoelhou, postando-se na humilde posição de suplicante. Os seguidores de Cristo hoje devem guardar-se da tendência de perder o espírito de reverência e piedoso temor. As Escrituras ensinam como devem os homens aproximar-se de seu Criador: com humildade e temor, mediante a fé num mediador divino. O salmista declarou:

“O Senhor é Deus grande, e Rei grande acima de todos os deuses. […]

Ó, vinde, adoremos, e prostremo-nos;

ajoelhemos diante do Senhor que nos criou”.

Salmos 95:3, 6.

Tanto no culto particular como no público, é nosso privilégio dobrar os joelhos perante Deus, quando a Ele oferecemos nossas petições. Jesus, nosso exemplo, “pondo-Se de joelhos, orava”. Lucas 22:41. De Seus discípulos, falando de Pedro, se relata que também “pôs-se de joelhos e orou”. Atos dos Apóstolos 9:40. Paulo declarou: “Ponho-me de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo”. Efésios 3:14. Quando confessava perante Deus os pecados de Israel, Esdras se ajoelhou. Esdras 9:5. Daniel “se punha de joelhos, e orava, e dava graças, diante de seu Deus”. Daniel 6:10.

A verdadeira reverência a Deus é inspirada pelo senso de Sua infinita grandeza e a noção de Sua presença. Com este senso do invisível, todo coração deve sentir-se profundamente impressionado. A ocasião e o lugar de oração são sagrados, porque Deus está ali. E ao ser a reverência manifestada em atitude e comportamento, o sentimento que a inspira será aprofundado. “Santo e tremendo é o Seu nome” (Salmos 111:9), declara o salmista. Os anjos, quando pronunciam este nome velam o rosto. Com que reverência, então, não devemos nós, que somos pecadores e caídos, tomá-lo em nossos lábios!

Bem fariam velhos e jovens em ponderar as palavras das Escrituras que mostram como deve ser considerado o lugar assinalado pela especial presença de Deus. “Tira os teus sapatos”, ordenou Ele a Moisés junto à sarça ardente, “porque o lugar em que tu estás é terra santa”. Êxodo 3:5. Jacó, havendo contemplado a visão do anjo, exclamou: “O Senhor está neste lugar; e eu não o sabia. […] Este não é outro lugar senão a casa de Deus; e esta é a porta dos Céus”. Gênesis 28:16, 17.

Naquilo que fora dito durante a cerimônia de dedicação, Salomão tinha procurado remover do espírito dos presentes as superstições em relação com o Criador, as quais haviam obscurecido a mente dos pagãos. O Deus dos Céus não está, como os deuses dos pagãos, confinado em templos feitos por mãos; todavia Ele Se encontraria com Seu povo por meio de Seu Espírito, quando se reunissem na casa dedicada a Sua adoração.

Séculos mais tarde Paulo ensinou a mesma verdade nas palavras: “O Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do Céu e da Terra, não habita em templos feitos por mãos de homens; nem tão pouco é servido por mãos de homens, como que necessitando de alguma coisa; pois Ele mesmo é quem dá a todos a vida, e a respiração, e todas as coisas; […] para que buscassem ao Senhor, se porventura tateando, O pudessem achar; ainda que não está longe de cada um de nós; porque nEle vivemos, e nos movemos, e existimos”. Atos dos Apóstolos 17:24-28.

“Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor,

e o povo que Ele escolheu para Sua herança.

O Senhor olha desde os Céus e está vendo a todos os filhos dos homens;

da Sua morada contempla todos os moradores da Terra”.

Salmos 33:12-14.

“O Senhor tem estabelecido o Seu trono nos Céus, e o Seu reino domina sobre tudo”.

Salmos 103:19.

“O Teu caminho, ó Deus, está no santuário.

Que deus é tão grande como o nosso Deus?

Tu és o Deus que fazes maravilhas;

Tu fizeste notória a Tua força entre os povos”.

Salmos 77:13, 14.

Embora Deus não habite em templos feitos por mãos humanas, honra, não obstante, com Sua presença, as assembléias de Seu povo. Ele prometeu que quando se reunissem para buscá-Lo, reconhecendo seus pecados, e para orarem uns pelos outros, Ele Se reuniria com eles por meio de Seu Espírito. Mas os que se reúnem para adorá-Lo devem afastar de si toda coisa má. A menos que O adorem em espírito e em verdade e na beleza da Sua santidade, seu ajuntamento será de nenhum valor. Destes o Senhor declara: “Este povo honra-Me com os seus lábios, mas o seu coração está longe de Mim. Mas em vão Me adoram”. Mateus 15:8, 9. Os que adoram a Deus devem adorá-Lo em “espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim O adorem”. João 4:23.

“O Senhor está no Seu santo templo; cale-se diante dEle toda a Terra”. Hebreus 2:20.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s