COMENTÁRIO sobre Atos dos Apóstolos, cap. 24 – Corinto

Paulo viu o potencial que Corinto representava para o evangelho, uma cidade importante, não apenas da Grécia, mas do mundo conhecido de então. Apesar dos sérios obstáculos para um bem sucedido evangelismo em Corinto, Paulo estabeleceu uma equipe ministerial lá consistindo de Áquila, Priscila e ele mesmo. Em vez dos sofisticados argumentos e filosofias que ele havia usado em Atenas, Paulo decidiu pregar apenas “Jesus e este crucificado”. Ele acreditava que uma vez que um pecador compreendesse o amor do Pai, como demonstrado no sacrifício de Seu Filho, uma mudança de coração aconteceria. e as pessoas seculares seriam transformadas.

No entanto, Paulo não teve receio de esclarecer o que significaria ser um seguidor do Cristo crucificado e ressuscitado. Ele repreendeu o mundanismo, o amor ao poder e aos títulos e ao exibicionismo, enquanto apontava para Jesus como o cumprimento das Escrituras do Antigo Testamento. O próprio Deus apareceu a Paulo em uma visão para encorajá-lo a continuar trabalhando em Corinto, apesar dos desafios, porque “tenho muita gente nesta cidade”.

Curiosamente, Ellen White identifica Corinto como um lugar importante para estabelecer memoriais para Cristo e Sua verdade, porque era um grande centro comercial. Que cidades são “vias de circulação” no país onde você mora, e como você poderia apoiar centros de influência para Jesus nesses lugares?

Cindy Tutsch
Diretora Associada (aposentada)
Depositários de Ellen G. White


Texto original:
https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/aa/23

Leitura correspondente no livro DTN:
http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/5/243/254/corinto

COMENTÁRIO sobre Atos dos Apóstolos, cap. 23 – Beréia e Atenas

Os Judeus na Beréia foram elogiados por sua disposição em investigar as verdades que Paulo havia ensinado. Como suas mentes não haviam sido estreitadas pelo preconceito, os anjos foram capazes de iluminar suas mentes e impressionar seus corações com verdades novas para eles. Que lição importante para nós!

Depois de fazer evangelismo em Beréia e Tessalônica, Paulo viajou para Atenas, a metrópole do paganismo. Não intimidado pela opulência e pelos grandes centros da educação e da cultura, Paulo pregou apaixonadamente a Cristo na colina de Marte e nos mercados. Embora destemido ao expor as falácias da religião dos Atenienses, Paulo não os deixou sem esperança. Com o poder do Espírito, Paulo dirigiu, com tato, as mentes dos seus ouvintes idólatras para o “Deus Desconhecido”, revelando a natureza e a missão da Deidade celestial.

Recentemente estive na colina de Marte, e contemplei a vasta cidade diante de mim. Hoje, há apenas alguns Adventistas do Sétimo Dia em Atenas para levar a tocha que Paulo bravamente acendeu há tantos anos. Oremos para que Deus fortaleça os corações dos nossos irmãos. Embora as aparências possam parecer proibitivas, a verdade de Deus ainda há de brilhar em meio às trevas que envolvem o nosso mundo. “Não deve haver desânimo em conexão com o serviço de Deus.”

Cindy Tutsch
Diretora Associada (aposentada)
Depositários de Ellen G. White


Texto original:
https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/aa/23

Leitura correspondente no livro DTN:
http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/5/231/242/bereia-e-atenas

COMENTÁRIO sobre Atos dos Apóstolos, cap. 21-22 – Nas Regiões Distantes

Paulo e sua recém-formada equipe missionária tentaram levar o evangelho ao oeste da Ásia Menor (Turquia), mas não deu certo. Foi quando Paulo teve uma visão na noite de um homem macedônio implorando para que eles viessem e os ajudassem. Eles perceberam que o Senhor estava abrindo todo um novo continente, a Europa, para a mensagem do evangelho (Atos 16:6-10). Eles deveriam começar algo novo com o objetivo de ganhar almas.

O que eles não sabiam é que o Senhor já estava preparando corações para que uma igreja fosse plantada em Filipos, uma importante cidade da Europa. Eles não sabiam que um grupo de mulheres piedosas, lideradas por Lídia, já se encontravam a cada sábado à tarde perto de um rio e não apenas aceitariam a verdade bíblica, mas também providenciariam um lugar para a equipe missionária ficar hospedada (v. 13-15). Eles não sabiam que uma adolescente apanhada em tráfico de seres humanos e atividades ocultas estava desesperada por libertação (v. 16-18; AA 213.1). Eles não sabiam nada disso – e muito mais – mas o Senhor sabia.

Com certeza Deus sabe de pessoas em sua comunidade que estão buscando a verdade, ou apegadas a vícios e querem libertação, ou pareçam endurecidas, mas se tornarão abertas a Jesus e à Sua verdade quando observarem genuína bondade. Talvez Ele queira que você saia da sua zona de conforto para fazer algo novo a fim de ganhar almas para ele.

Por que não lhe perguntar quão longe da sua zona de conforto Ele quer que você vá? Ele vai lhe mostrar ou lhe dizer. E Ele lhe dará a coragem e a ousadia necessária.

Dan Serns
Coordenador de Evangelismo da Associação do Texas
Estados Unidos da América

Texto original:
https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/aa/21-22
Leitura correspondente no livro DTN:
http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/5/211/220/nas-regioes-distantes
http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/5/221/230/tessalonica

 

 

COMENTÁRIO sobre Atos dos Apóstolos, cap. 19-20 – Judeus e Gentios

A igreja primitiva tinha um problema com relação a aceitação e inclusão. Estamos repetindo isso na igreja de hoje? Desqualificamos por gênero, raça ou status? Colocamos o mesmo valor em TODOS os nossos semelhantes criados por Deus? Quando fazemos isso, temos o amor de que o evangelho tanto fala. Quando alguém fica no caminho de alguém que está tentando aproximar-se de Deus, isso faz com que Jesus fique zangado.

Paulo viu que Timóteo era fiel, firme e verdadeiro. Quando nos entregamos totalmente a Deus de maneira humilde, Ele nos dará os talentos, a proteção e a coragem para cumprir a Sua missão. Aprendemos mais sobre o amor de Deus por nós quando nos colocamos ao pé da cruz. Quando somos capazes de mostrar aos outros o mesmo amor e aceitação que Deus tem por nós, então compartilhamos com sucesso o evangelho.

Eu oro para que eu seja amorosa e acolhedora para com aquele que está tentando chegar à Deus. Espero que as pessoas nos vejam como uma igreja inclusiva que valoriza a boa convivência de todos os filhos de Deus.

Karen Ronk
Ministérios de Oração e Saúde para a União do Pacífico e a União do Pacífico Norte

Texto original:
https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/aa/19-20  
Leitura correspondente no livro DTN:
http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/5/188/200/judeus-e-gentios
http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/5/201/210/exaltando-a-cruz

 

COMENTÁRIO sobre Atos dos Apóstolos, cap. 18 – Pregando entre os Gentios

Quem se atreveria a dizer que o grande apóstolo Paulo, embora sincero e apaixonado, estava usando uma estratégia errônea de evangelização naqueles primeiros esforços missionários entre os pagãos da Ásia? Ele tinha certeza de que havia sido chamado como um apóstolo para pregar os gentios. Ele havia concordado alegremente com o que a Igreja lhe pediu para fazer.

No entanto, os eventos que ocorreram em sua primeira jornada missionária demonstraram que suas ações não estavam combinando com o que o Espírito o havia inspirado a fazer. Paulo seguiu sua própria inclinação, por exemplo, ao pressionar a Barnabé e ao dar preferência aos Judeus na pregação da mensagem. Isso não era consistente com o mandato recebido do Espírito Santo. As ações de Paulo foram, sem dúvida, derivadas de suas fortes raízes culturais e espirituais. No entanto, a pregação do evangelho aos pagãos foi afetada pela inclinação de Paulo em querer convencer os Judeus primeiro. Sua estratégia influenciou os Judeus, o que causou sérios problemas mais tarde.

Apesar disso, igrejas foram estabelecidas em Antioquia, Icônio, Listra e Derbe. Igrejas formadas principalmente por crentes vindos do paganismo. No final, os objetivos do Espírito são alcançados e a porta da fé é aberta aos pagãos. Como colaborador de Cristo, preciso me perguntar, com urgência, se estou tão perto do Espírito a ponto de ouvi-lo claramente dizer que direção devo tomar na missão que Deus me concedeu.

Jorge Torreblanca
Assistente do Presidente
Seminário Teológico Interamericano

 

Texto original:
https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/aa/18  
Leitura correspondente no livro DTN:
http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/5/177/187/pregando-entre-os-gentios

 

 

COMENTÁRIO sobre Atos dos Apóstolos, cap. 17 – Arautos do Evangelho

Arautos eram indivíduos cujo dever era fazer proclamações públicas à comunidade em nome de seus comandantes. Em nosso mundo, onde os meios modernos tomaram o lugar dos mensageiros pessoais, considero um incrível privilégio ser um arauto da paz de Deus por meio do exemplo de minha vida e da proclamação da verdade do evangelho. Em obediência ao meu Divino Comandante, é um privilégio anunciar as boas novas de que há salvação gratuita em Jesus para todos os que querem aceitá-la. Quero permanecer fiel e cumprir essa missão onde quer que o Senhor me leve.

Nem sempre é fácil, mas Ele me dá coragem e força. Minha convicção aumenta minha responsabilidade de permanecer fiel em meu posto do dever – confiando não em mim mesmo, mas em Deus e no poder de sua força. Convencido de que quando ele chama, ele também capacita, eu preciso de Deus para me ajudar a não pensar primeiro em meu próprio conforto e conveniência. Preciso que Ele me ajude, como Barnabé, a não ser severo, mas paciente com os mais fracos no trabalho e estar sempre disposto a dar-lhes outra chance.

É meu anseio que Jesus, que é a Luz, viva e seja glorificado em mim, fazendo de mim um farol luminoso que anuncia esperança e salvação àqueles que enfrentam as águas tempestuosas do fatídico mar da vida contemporânea.

Marco T. Terreros
Vice-presidente acadêmico
Seminário Teológico Adventista Interamericano
Porto Rico.

Texto original:
https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/aa/16
Leitura correspondente no livro DTN:
http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/5/166/176/arautos-do-evangelho

 

COMENTÁRIO sobre Atos dos Apóstolos, cap. 16 – O Evangelho em Antioquia

Como foi que os apóstolos, Paulo, Barnabé e outros discípulos falaram corajosamente a favor de Cristo? Eles foram equipados e comissionados pelo Espírito Santo para proclamarem as Boas Novas. Assim, a mensagem do evangelho se espalhou além das regiões de Jerusalém e além do primeiro século chegando até nossos dias.

Deus nos deu talentos e dons para o avanço das boas novas da salvação. O tempo está transcorrendo muito rapidamente, Cristo está voltando em breve, e há muito a ser feito na vinha de Deus. No entanto, muitos membros da igreja estão frios, indiferentes e ocupados com assuntos triviais. Hermut Haubeil identifica esse tipo de membros da igreja como cristãos carnais (Passos para o Avivamento Pessoal). Quando rendermos a Deus tudo o que somos e temos, seremos batizados com o Espírito Santo e nos tornaremos cristãos espirituais. Deste modo poderemos ser usados ​​poderosamente para servir os outros para a glória e a honra de Deus.

A Igreja é o vaso escolhido por Deus e o candelabro para comunicar a mensagem de amor do Salvador. O que, como e quando vou comunicar essa mensagem de amor? Lucas 8:50 me diz que o medo é inútil; o que eu preciso é confiar. Eu não deveria me apoiar em minha compreensão e percepção, mas ser guiado pelo Espírito Santo. Graças a Deus não estou sozinho ao trabalhar para Ele!

Myrna Colon
(Presidente aposentada da Universidade Adventista das Antilhas, Mayaguez, Porto Rico)
Atual estudante do Mestrado em Ministério Pastoral do Seminário Teológico Adventista Interamericano, Porto Rico.

Texto original:
https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/aa/16
Leitura correspondente no livro DTN:
http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/5/155/165/a-mensagem-do-evangelho-em-antioquia