COMENTÁRIO sobre O Grande Conflito, cap. 19 – Luz Para os Nossos Dias

Texto original:
https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/gc/19

A fé em um Deus transcendente deveria ser mais fácil hoje do que na época dos discípulos de Jesus. A tecnologia nos permite acessar o conhecimento do cosmo que antes era desconhecido. A crença de que um poder orientador organiza e sustenta nosso vasto universo é mais plausível hoje do que nunca. Até a crença em Jesus como o Filho de Deus é mais fácil hoje, a uma distância de 2000 anos, do que para os discípulos que poderiam realmente ir ao encontro da Sua humanidade através do toque e da experiência pessoal. Nosso teste de fé é: como esse Deus transcendente, que segura tudo em suas mãos, nos conhece pessoalmente neste ponto de poeira no universo (Salmo 139)? Deus está realmente preocupado comigo? Haverá uma segunda vinda literal de Jesus em um dia literal do nosso calendário?

Quem pode entender isso? Como o homem pode passar da compreensão de um Deus transcendente à expectativa iminente do reino de Deus?

Humanamente falando, esse tipo de crença é impossível. A pessoa que acredita na literal e breve vinda de Jesus recebe essa crença como um presente de Deus e deve agradecer. O que é impossível para a humanidade é totalmente possível para Deus!

Heinz Schaidinger
Professor, Seminário Teológico de Bogenhofen, Áustria

Leitura correspondente no livro GC:
http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/1/343/354/luz-para-os-nossos-dias

COMENTÁRIO sobre O Grande Conflito, cap. 18 – Uma Profecia Muito Significativa

Texto original:
https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/gc/18

Para mim, Guilherme Miller é um herói. Talvez não no sentido tradicional da palavra, mas porque ele lutou contra suas fraquezas e as superou com grande coragem. Aqui está o meu raciocínio:

1. Ele estava disposto a mudar de opinião:
Em sua juventude, ele era um deísta e acreditava apenas em um Deus distante. A sociedade que ele frequentava apenas fortaleceu essa mentalidade. Apesar disso, ele finalmente decidiu confessar publicamente sua fé recém-encontrada. Eu considero isso heróico.

2. Ele se tornou um pregador:
No começo, ele preferiu manter suas descobertas acerca dos livros de Daniel e Apocalipse para si mesmo. Ele sentiu responsabilidade de compartilhar essas informações inestimáveis, mas levou algum tempo para ele embarcar nesse empreendimento. Apesar de sua timidez, ele se tornou uma voz poderosa ao proclamar a proximidade da segunda vinda de Cristo.

3. Ele abandonou sua zona de conforto:
Miller poderia ter continuado a viver uma vida confortável, mas, em vez disso, dedicou-se incansavelmente a esse grande trabalho. Saber o que é certo é fundamental, mas fazer o que é certo é muito mais difícil. Ele derrotou o Golias interior de conveniência que todos temos dentro de nós. Às vezes, Miller pregava diariamente, e às vezes até várias vezes ao dia, testemunhando seu fervoroso compromisso.

É útil seguir bons exemplos. Deus deu a Guilherme Miller a força para superar suas fraquezas humanas demais e se tornar um homem capaz de exemplificar o que é heroísmo para nós.

Johannes Kovar
Professor, Seminário Teológico de Bogenhofen, Áustria

Leitura correspondente no livro GC:
http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/1/317/342/uma-profecia-muito-significativa

COMENTÁRIO sobre O Grande Conflito, cap. 17 – A Esperanca que Infunde Alegria

Texto original:
https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/gc/17

Quando eu tinha 12 anos, tive um professor que estava convencido de que o mundo não poderia durar mais dois anos. Como resultado, grande parte da minha vida adulta jovem me surpreendeu. Eu não esperava me formar no ensino médio, na faculdade, nem me casar, nem ter filhos. Jesus estava sempre no virar da esquina e os eventos que prediziam Sua chegada aconteciam todos os dias. Minha empolgação era alta, mas é difícil manter a empolgação no topo da montanha, ano após ano. Lembra da parábola das dez damas de honra? Até as que estavam bem preparadas adormeceram.

Isso aconteceu quando Jesus veio pela primeira vez. Os profetas haviam predito o tempo, o lugar e as circunstâncias de Sua chegada, e ainda assim poucos estavam prontos para recebê-Lo. Cheios de orgulho, auto-suficiência e formas de religião, a maioria sonhava pacificamente com um Messias que lhes traria dinheiro e poder, não humildade e sacrifício.

Jesus ainda está voltando. Nossa liberdade de culto e acesso à Bíblia é maior agora do que em muitos séculos anteriores, mas muitas Bíblias acumulam poeira na prateleira. O diabo trabalha duro para nos convencer de que as preocupações do dia são mais importantes que a preparação para o futuro. Nossa única segurança é manter vivo esse relacionamento com Deus diariamente, por meio da oração, estudo da Bíblia e compartilhar o evangelho com outras pessoas. Vamos prometer nunca deixar nosso amor por Deus morrer devido à negligência.

Lisa Ward
Tesoureira da igreja ASD Vida no Campo
Cleburne, Texas EUA

Leitura correspondente no livro GC:
http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/1/299/316/a-esperanca-que-infunde-alegria

COMENTÁRIO sobre O Grande Conflito, cap. 16 – O Mais Sagrado Direito do Homem

Texto original:
https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/gc/16

Liberdade de consciência – tão fácil de guardar para mim e ainda assim tão difícil de estender ao meu irmão. Em nossa arrogância, às vezes acreditamos que podemos resolver os problemas do mundo obrigando as pessoas a obedecerem a vontade de Deus. Pensamos erroneamente que exigir boas ações fará com que as pessoas desenvolvam bons motivos. Infelizmente, exatamente o oposto é verdadeiro. O que se destina a purificar o mundo acaba corrompendo a igreja! Quando as pessoas não convertidas são obrigadas a fingirem ser santas sem o poder do Espírito Santo, a religião se torna tradição. Enquanto boas obras são uma conseqüência natural de um coração apaixonado por Deus, para um coração não convertido, elas são um fardo.

Os peregrinos sacrificaram muita coisa a fim de obterem a sua liberdade de adorar conforme a consciência, mas depois que a obtiveram, tentaram preservá-la com a legislação. Ao tentar proteger a vontade de Deus com as leis do governo, a fidelidade dos Pais Peregrinos foi diluída e muitas vezes superada pela prevalência da tradição e da superstição. Ainda hoje, vemos muitas forças tentando fazer leis para reduzir nossa liberdade de adorar conforme a consciência. A eternidade é longa e não vale a pena desistir por conveniência e comprometimento aqui. Deus nos deu a Bíblia e Seu Espírito Santo para nos guiar em Seu caminho. Nossa única segurança é manter um relacionamento forte e comprometido com Ele e testar todas as novas idéias pelas Escrituras.

Lisa Ward
Tesoureira da igreja ASD Vida no Campo
Cleburne, Texas EUA

Leitura correspondente no livro GC:
http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/1/289/298/o-mais-sagrado-direito-do-homem

COMENTÁRIO sobre O Grande Conflito, cap. 15 – A Escritura Sagrada e a Revolução Francesa

Texto original:
https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/gc/15

Um dos períodos mais escuros da história da terra foi a Revolução Francesa, exatamente o mesmo movimento que deu aos americanos nossa preciosa Estátua da Liberdade. Mas o que levou a essa revolução? E por que esse banho de sangue recebe um capítulo em um livro que normalmente dedica suas páginas a histórias de grandes reformadores?

A resposta é clara. A Revolução Francesa demonstrou o resultado final do Catolicismo Romano. Veja bem, a França, na época dos francos, tinha sido a primeira das tribos proto-européias a abraçar uma igreja estatal. A França foi a primeira nação a enviar cruzadas contra seus próprios cidadãos pacíficos. E a França enviou anualmente a inquisição para várias de suas cidades. Em suma, a igreja teve espaço para agir na França. Foi capaz de matar ou banir os dissidentes. (Inclusive os estados da Carolina do Sul e do Norte nos EUA estiveram inicialmente cheias de fiéis banidos da França.)

E você pode perguntar: qual seria o resultado de 1290 anos de supremacia papal quase irrestrita na França? Seriam instituições católicas pacíficas e estudiosas, com nobres avanços nas artes e nas ciências? Seria uma lealdade eterna à igreja? Não, seria uma rebelião ateísta. O catolicismo, como um sistema igreja-estado, quando é permitido amadurecer completamente, termina em autodestruição.

Portanto a Revolução Francesa é importante para quem vive hoje. Responde a perguntas que precisam ser respondidas. Podemos ver para onde as coisas estão indo, e podemos pular fora dessa onda agora.

Eugene Prewitt
Diretor, Instituto de Treinamento do Leste Asiático, Malásia

Leitura correspondente no livro GC:
http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/1/265/288/a-escritura-sagrada-e-a-revolucao-francesa

COMENTÁRIO sobre O Grande Conflito, cap. 14 – Progressos na Inglaterra

Texto original:
https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/gc/14

Nos primeiros dias da Inglaterra, apenas sacerdotes e clérigos podiam ler a Palavra de Deus. A maioria das pessoas simplesmente seguia o que a igreja lhes dizia. Infelizmente, seus professores estavam ensinando com o objetivo de beneficiar a igreja, não com o objetivo de espalhar a verdade da Palavra. Eles queriam enriquecer a igreja e fazê-la prosperar. Mas e a salvação das pessoas?

Louvado seja Deus que alguém foi encontrado naquele tempo disposto a romper as barreiras e levar a Palavra às pessoas comuns, a todos! O mais surpreendente é que Deus até usou o inimigo para ajudar a causa quando o bispo de Duram comprou Bíblias para queimá-las. O dinheiro que ele deu ajudou a fazer uma impressão da Bíblia com maior qualidade!

Desde aquela época, a difusão da palavra de Deus ocorre com dificuldades. Mas Deus está sempre conosco para ajudar quando procuramos alertar aqueles que não conhecem a verdade. A jornada não é fácil. Ainda há perseguição, ridículo e morte para os trabalhadores.

Embora saibamos que espalhar a verdade é perigoso, ainda assim o faremos. As pessoas devem ter acesso à luz da Palavra. É imperativo que demos esperança a todos. “Pois isso é bom e aceitável aos olhos de Deus, nosso Salvador, que deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade.”

Lubelter Voy Bolodin
Sabah, Malásia

Leitura correspondente no livro GC:
http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/1/245/264/progressos-na-inglaterra

COMENTÁRIO sobre O Grande Conflito, cap. 13 – A liberdade nos países baixos

Texto original:
https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/gc/13

Quando pensamos na Reforma, os nomes Lutero, Melanchton e Zwinglio logo vêm à mente. Mas ouvimos raramente sobre Menno Simons, Tausen ou os irmãos Petri. Esses homens foram os heróis da Reforma na Holanda, Dinamarca e Suécia. Eles foram influenciados e moldados por Lutero e pela Reforma e levaram a luz do Evangelho para suas pátrias. Na Holanda, a reação do lado romano foi uma das perseguições mais violentas da fé bíblica. Na Dinamarca e na Suécia, por outro lado, o Evangelho encontrou uma entrada relativamente pacífica. A Suécia então se transformou em uma fortaleza do protestantismo. Por meio desses homens, o Evangelho conseguiu uma grande vitória nas terras do norte.

Quais eram as habilidades necessárias? Primeiro, todos eram homens que buscavam a verdade sem medo, independentemente de gastos financeiros ou provações. Eles estudaram a Bíblia, os escritos dos reformadores e até receberam treinamento pessoal (Tausen e Petri). Então eles viajaram para casa e pregaram o que haviam aprendido. Não foi a situação que os fez ter sucesso, foram os esforços deles.

Esses princípios simples podem ser adotados por qualquer um de nós. Nós também podemos examinar as Escrituras como um tesouro escondido e inclusive sermos treinados para compartilhar o Evangelho. Então podemos compartilhar a fé onde quer que Deus nos envie. Na época da Reforma, o Evangelho não precisava de circunstâncias ou métodos particulares, mas de pessoas que estavam dispostas a buscar a verdade com todo o coração e depois passá-la para outras pessoas.

Da mesma maneira, o evangelho pode alcançar os confins da terra hoje. A única questão que resta é: você está disposto a compartilhar o evangelho?

Mario Arambasic
Centro de Mídia Momento, Munique, Alemanha

Leitura correspondente no livro GC:
http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/1/237/244/a-liberdade-nos-paises-baixos