COMENTÁRIO SOBRE O DESEJADO DE TODAS AS NAÇÕES, cap. 56-57

Graças a Deus pelas mães! As mães assumem muitos papéis (usam muitos chapéus): cozinheira, enfermeira, faxineira, professora, motorista, comprador, conselheira, etc. Você sabia que as mães também estavam entre os primeiros evangelistas? Aqui está o método que elas usaram:
“Uma mãe com seu filho deixou a sua casa para ir ao encontro de Jesus. No caminho, ela contou a uma vizinha o seu objetivo e o vizinha quis que Jesus abençoasse seus filhos. Assim, várias mães se dirigiram a Jesus com seus pequeninos.” DTN 511.3

Esta é a essência do evangelismo da amizade e do evangelismo infantil. Evangelismo é exatamente isso, uma pessoa compartilhando as boas novas para que outras pessoas possam ser abençoadas com a mesma bênção que esperam receber. Os discípulos deveriam ter ficado felizes em ver pequeninos trazidos a Jesus para uma bênção. Era costume dos judeus trazerem seus filhos para serem abençoados por um rabino. Isso também era algo que eles praticavam em suas próprias casas. Era costume um pai judeu colocar a mão sobre o filho para pronunciar uma bênção patriarcal toda sexta-feira à noite, quando o sábado começava.

Você tem um filho que quer levar a Jesus? Você tem um amigo que quer convidar para se juntar a você na busca de Jesus? Jesus não vai repelir vocês. Mesmo que você seja amigo de um amigo de um amigo de um amigo que se juntou à jornada, Jesus o convida a vir e receber a Sua bênção. Essa é uma boa notícia!

Karen Lifshay
Hermiston, Oregon, EUA

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/da/56-57

Equipe de tradução: Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Pr Jobson Santos

O DESEJADO DE TODAS AS NAÇÕES, cap. 56-57

Capítulo 56 — “Deixai vir a mim os pequeninos”

Este capítulo é baseado em Mateus 19:13-15; Marcos 10:13-16; Lucas 18:15-17.

Jesus sempre gostou de crianças. Aceitava-lhes a infantil simpatia, e seu amor franco, sem afetação. O grato louvor de seus lábios puros era qual música aos Seus ouvidos, e refrigerava-Lhe o espírito quando opresso pelo contato com homens astutos e hipócritas. Aonde quer que fosse o Salvador, a benevolência de Seu semblante, Sua maneira suave e bondosa conquistavam a confiança dos pequeninos.
Era costume entre os judeus levar as crianças a qualquer rabino, para que lhes impusesse as mãos, abençoando-as; mas os discípulos do Salvador julgavam Sua obra demasiado importante para ser assim interrompida. Quando as mães foram ter com Jesus, levando as criancinhas, olharam-nas eles com desagrado. Julgaram essas crianças demasiado pequenas para tirar proveito de sua visita a Jesus, e concluíram que Ele Se desgostaria com sua presença. Foi com eles, entretanto, que Jesus ficou descontente. Compreendia o cuidado e a preocupação das mães que estavam buscando educar os filhos segundo a Palavra de Deus. Ouvira-lhes as orações. Ele próprio as atraíra a Sua presença. Uma mãe, com o filhinho, deixara a casa para ir em busca de Jesus. De caminho, comunicou a uma vizinha o seu desígnio, e esta quis que Jesus lhe abençoasse os filhos. Assim várias mães se reuniram, levando seus pequeninos. Alguns já haviam passado a primeira infância, entrando para a meninice ou para a adolescência. Ao darem as mães a conhecer seu desejo, Jesus ouviu com simpatia o tímido, lacrimoso pedido. Mas esperou para ver como os discípulos as tratariam. Ao vê-los mandar embora as mães, julgando aprazer-Lhe, mostrou-lhes o erro em que estavam, dizendo: “Deixai vir a Mim os pequeninos e não os impeçais, porque dos tais é o reino de Deus”. Lucas 18:16. Tomou nos braços as crianças, pôs-lhes as mãos sobre a cabeça, e deu-lhes as bênçãos em busca das quais tinham vindo. As mães ficaram confortadas. Voltaram para casa fortalecidas e felizes pelas palavras de Cristo. Foram animadas a tomar seus encargos com nova satisfação, e a trabalhar esperançosas por seus filhos. As mães de hoje devem receber-Lhe as palavras com a mesma fé. Cristo é agora tão verdadeiramente um Salvador pessoal, como quando vivia como homem entre os homens. É tão realmente o ajudador das mães em nossos tempos, como quando tomava os pequeninos nos braços, na Judéia. Os filhos de nossos lares são tanto o preço de Seu sangue, quanto as crianças de outrora. Jesus conhece as preocupações íntimas de cada mãe. Aquele cuja mãe lutou com a pobreza e a privação, simpatiza com toda mãe em seus labores. Aquele que empreendeu uma longa viagem para aliviar o ansioso coração de uma cananéia, fará outro tanto pelas mães hoje em dia. Aquele que devolveu à viúva de Naim seu unigênito, e que, em agonia na cruz Se lembrou de Sua própria mãe, comove-Se ainda hoje pela dor materna. Em todo pesar e em toda necessidade, dará conforto e auxílio. Vão as mães ter com Jesus, apresentando-Lhe suas perplexidades. Encontrarão suficiente graça para as ajudar na educação dos filhos. As portas acham-se abertas a toda mãe que desejar depor seus fardos aos pés do Salvador. Aquele que disse: “Deixai vir a Mim os pequeninos e não os impeçais”, convida ainda as mães a conduzirem os pequeninos para serem por Ele abençoados. Mesmo o nenê nos braços maternos pode permanecer como sob a sombra do Onipotente, mediante a fé de uma mãe que ora. João Batista foi cheio do Espírito Santo desde seu nascimento. Se vivemos em comunhão com Deus, também nós podemos esperar que o Espírito divino molde nossos pequenos já desde os primeiros momentos. Nos meninos que foram postos em contato com Ele, viu Jesus os homens e mulheres que haviam de ser herdeiros de Sua graça e súditos do Seu reino, e alguns dos quais se tornariam mártires por amor dEle. Sabia que essas crianças haviam de ouvi-Lo e aceitá-Lo como seu Redentor muito mais facilmente do que o fariam os adultos, muitos dos quais eram os sábios segundo o mundo e os endurecidos. Em Seus ensinos, descia ao nível delas. Ele, a Majestade do Céu, não desdenhava responder-lhes às perguntas e simplificar Suas importantes lições, para lhes atingir a infantil compreensão. Implantava no espírito delas as sementes da verdade, que haveriam de brotar nos anos vindouros, dando frutos para a vida eterna. É ainda verdade que as crianças são as pessoas mais susceptíveis aos ensinos do evangelho; seu coração acha-se aberto às influências divinas, e forte para reter as lições recebidas. Os pequeninos podem ser cristãos, tendo uma experiência em harmonia com seus anos. Precisam ser educados nas coisas espirituais, e os pais devem proporcionar-lhes todas as vantagens, para que formem caráter segundo a semelhança do de Cristo. Os pais e as mães devem considerar os filhos como os membros mais novos da família do Senhor, a eles confiados para que os eduquem para o Céu. As lições que nós mesmos aprendemos de Cristo, devemos transmitir a nossas crianças, de maneira a poderem ser compreendidas pelas tenras mentes infantis, revelando-lhes pouco a pouco a beleza dos princípios do Céu. Assim o lar cristão se torna uma escola, em que os pais servem de mestres auxiliares, ao passo que o próprio Cristo é o principal instrutor. Trabalhando em favor da conversão de nossos filhos, não devemos buscar violentas emoções como testemunho de convicção do pecado. Nem é necessário saber o tempo exato em que se convertem. Devemos ensiná-los a levar seus pecados a Jesus, pedindo-Lhe perdão e crendo que Ele perdoa e os recebe, assim como recebeu as crianças quando Se achava pessoalmente na Terra. Quando a mãe ensina os filhos a lhe obedecerem porque a amam, está ensinando as primeiras lições na vida cristã. O amor da mãe representa para a criança o amor de Cristo, e os pequenos que confiam em sua mãe e lhe obedecem, estão aprendendo a confiar no Salvador e obedecer-Lhe. Jesus era o modelo das crianças, e também o exemplo dos pais. Falava como quem tem autoridade, e Sua palavra tinha poder; todavia, em todo o Seu trato com homens rudes e violentos, nunca empregou uma expressão desagradável ou descortês. A graça de Cristo no coração comunicará uma dignidade de origem celestial, o senso do que é próprio. Suavizará toda aspereza e subjugará tudo quanto é rude e destituído de bondade. Levará os pais a tratarem os filhos como a seres inteligentes, como eles próprios queriam ser tratados. Pais, na educação de vossos filhos, estudai cuidadosamente as lições dadas por Deus na natureza. Se quisésseis ajeitar um cravo, uma rosa ou lírio, de que maneira o havíeis de fazer? Perguntai ao jardineiro por que processo ele faz com que cada ramo e folha floresça tão belamente, e se desenvolva em simetria e beleza. Dir-vos-á que não foi absolutamente por um trato rude, nenhum esforço violento, pois isso não faria senão partir as delicadas hastes. Foi mediante pequeninas atenções, freqüentemente repetidas. Umedecia o solo e protegia as plantas em desenvolvimento, dos ventos fortes e do sol escaldante, e Deus as fez crescer e florescer, com delicada beleza. Segui, no trato com vossos filhos, os métodos do jardineiro. Por meio de toques suaves, de serviço amorável, procurai amoldar-lhes o caráter segundo o modelo de Cristo. Animai a expressão de amor para com Deus e uns com os outros. A causa de haver tantos homens e mulheres endurecidos no mundo, é que a verdadeira afeição tem sido considerada fraqueza, sendo cerceada e reprimida. A parte melhor da natureza dessas pessoas foi sufocada na infância; e a menos que a luz do divino amor lhes abrande o frio egoísmo, para sempre arruinada estará sua felicidade. Se queremos que nossos filhos possuam o suave espírito de Jesus, e a simpatia que os anjos por nós manifestam, devemos incentivar os generosos e amoráveis impulsos da infância. Ensinai as crianças a ver Cristo na natureza. Levai-as ao ar livre, à sombra das nobres árvores do quintal; e em todas as maravilhosas obras da criação ensinai-as a ver uma expressão de Seu amor. Ensinai-lhes que Ele fez as leis que regem todas as coisas vivas, que fez leis também para nós, e que elas visam a nossa felicidade e alegria. Não as fatigueis com longas orações e exortações tediosas, mas mediante as lições objetivas da natureza, ensinai-lhes a obediência à lei de Deus. Ao lhes conquistardes a confiança em vós como seguidores de Cristo, fácil vos será fazê-las aprender as lições quanto ao grande amor com que Ele nos amou. Ao procurardes tornar claras as verdades concernentes à salvação, e encaminhar as crianças a Cristo como Salvador pessoal, os anjos estarão ao vosso lado. O Senhor dará aos pais e às mães graça para interessar os pequeninos na preciosa história do Infante de Belém, que é na verdade a esperança do mundo. Quando Jesus disse aos discípulos que não impedissem as crianças de ir ter com Ele, falava a todos os Seus seguidores em todos os tempos — aos oficiais da igreja, aos ministros, auxiliares e todos os cristãos. Jesus está atraindo as crianças, e ordena-nos: “Deixai vir a Mim os pequeninos” (Lucas 18:16), como se quisesse dizer: Eles virão, se os não impedirdes. Não deixeis que vosso caráter não cristão represente mal a Jesus. Não conserveis os pequeninos longe dEle pela vossa frieza e aspereza. Nunca lhes deis motivos de pensar que o Céu não será um lugar aprazível para eles, se ali estiverdes. Não faleis de religião como qualquer coisa que as crianças não podem compreender, nem procedais como se não se esperasse que elas aceitem a Cristo em sua meninice. Não lhes deis a falsa impressão de que a religião de Cristo é de tristeza e que, ao se achegarem ao Salvador, devem abandonar tudo quanto torna a vida aprazível. Ao operar o Espírito Santo no coração dos pequenos, apoiemos-Lhe a obra. Ensinai-lhes que o Salvador os está chamando, que coisa alguma Lhe poderá dar mais prazer do que se Lhe entregarem eles no desabrochar e no vigor da vida. O Salvador contempla com infinita ternura as almas que comprou com Seu próprio sangue. São a reivindicação de Seu amor. Olha-as com inexprimível anelo. Seu coração estende-se, não somente para as crianças bem-comportadas, mas para as que têm, por herança, traços objetáveis de caráter. Muitos pais não compreendem quanto são responsáveis por esses traços em seus filhos. Não possuem a ternura e a sabedoria necessárias para tratar com os errantes a quem fizeram o que são. Mas Jesus olha essas crianças com piedade. Ele segue da causa para o efeito. O obreiro cristão pode ser o instrumento de Cristo em atrair essas crianças para o Salvador. Com sabedoria e tato pode ligá-las ao próprio coração, dar-lhes ânimo e esperança, e por meio da graça de Cristo transformar-lhes o caráter, de sorte que delas se possa dizer: “Dos tais é o reino de Deus.”

 

Capítulo 57 — “Uma coisa te falta”

Este capítulo é baseado em Mateus 19:16-22; Marcos 10:17-22; Lucas 18:18-23.

E pondo-Se a caminho, correu para Ele um homem, o qual se ajoelhou diante dEle, e Lhe perguntou: “Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna?” Marcos 10:17. O jovem que fez essa pergunta era príncipe. Tinha grandes haveres e ocupava posição de responsabilidade. Vira o amor que Cristo manifestara para com as crianças que Lhe foram levadas; viu quão ternamente as recebera e tomara nos braços, e o coração encheu-se-lhes de amor para com o Salvador. Sentiu o desejo de ser Seu discípulo. Tão profundamente movido foi, que, ao seguir Cristo Seu caminho, correu após Ele e, ajoelhando-se-Lhe aos pés, dirigiu com sinceridade e fervor a pergunta tão importante para sua alma e a de toda criatura humana: “Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna?”

“Por que Me chamas bom?” disse Jesus, “ninguém há bom senão um, que é Deus”. Marcos 10:18. Jesus desejava provar a sinceridade do príncipe, e verificar em que sentido O considerava bom. Compreenderia ele que Aquele a quem falava era o Filho de Deus? Qual o verdadeiro sentimento de seu coração? Esse príncipe tinha em alta conta sua própria justiça. Não pensava, na verdade, que faltasse em qualquer coisa; contudo, não estava de todo satisfeito. Sentia a falta de algo que não possuía. Não poderia Jesus abençoá-lo assim como fizera às criancinhas, e satisfazer-lhe a necessidade espiritual? Em resposta a essa pergunta, Jesus lhe disse que a obediência aos mandamentos de Deus era necessária se ele queria obter a vida eterna; e citou vários dos mandamentos que mostram os deveres do homem para com seus semelhantes. A resposta do jovem foi positiva: “Tudo isso tenho guardado desde a minha mocidade; que me falta ainda?” Marcos 10:20. Cristo contemplou o moço, como a ler-lhe a vida e a sondar-lhe o caráter. Amou-o e ansiou dar-lhe aquela paz, graça e alegria que lhe haviam de mudar essencialmente o caráter. “Falta-te uma coisa”, disse; “vai, vende tudo quanto tens, e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no Céu; e vem, e segue-Me”. Marcos 10:21. Cristo foi atraído para esse jovem. Sabia ser ele sincero em sua declaração: “Tudo isso guardei desde a minha mocidade.” O Redentor almejou criar nele aquele discernimento que o habilitaria a ver a necessidade da devoção da alma e da bondade cristã. Anelou ver-lhe um coração humilde e contrito, consciente do supremo amor a ser dedicado a Deus, e ocultando a própria deficiência na perfeição de Cristo. Jesus viu nesse príncipe exatamente o auxílio de que necessitava, caso se viesse a tornar Seu cooperador na obra da salvação. Se se colocasse sob a direção de Cristo, seria uma força para o bem. O príncipe poderia, de maneira notável, haver representado o Salvador; pois era dotado de qualidades que, uma vez unido a Jesus, o habilitariam a tornar-se uma força divina entre os homens. Cristo, lendo-lhe o caráter, o amou. No coração do moço estava desabrochando o amor para com Cristo; pois amor suscita amor. Jesus anelou vê-lo como coobreiro Seu. Ansiou torná-lo semelhante a Si próprio, um espelho em que se refletisse a semelhança divina. Anelou desenvolver-lhe a excelência do caráter e santificá-lo para o serviço do Mestre. Houvesse esse príncipe se entregado então a Cristo, e teria crescido na atmosfera de Sua presença. Houvesse feito essa escolha, e quão diferente teria sido seu futuro! “Falta-te uma coisa”, disse Jesus. “Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no Céu; e vem, e segue-Me”. Marcos 10:21. Cristo leu no coração do príncipe. Uma só coisa lhe faltava, mas essa era um princípio vital. Carecia do amor de Deus na alma. Essa falta, a menos que fosse suprida, demonstrar-se-ia fatal para ele; toda a sua natureza se corromperia. Com a condescendência, fortalecer-se-ia o egoísmo. Para que recebesse o amor de Deus, deveria ser subjugado seu supremo amor do próprio eu. Cristo submeteu esse homem a uma prova. Chamou-o a escolher entre o tesouro celestial e a mundana grandeza. Era-lhe assegurado o tesouro celeste, caso seguisse a Cristo. Devia, porém, render o próprio eu; entregar a vontade à direção de Cristo. A própria santidade de Deus foi-lhe oferecida. Tinha o privilégio de tornar-se filho de Deus e co-herdeiro de Cristo no tesouro celestial. Mas devia tomar a cruz, e seguir o Salvador na vereda da abnegação. As palavras de Jesus ao príncipe representavam em verdade o convite: “Escolhei hoje a quem sirvais”. Josué 24:15. A escolha foi deixada ao seu arbítrio. Jesus estava sequioso de sua conversão. Mostrara-lhe o foco infeccioso no caráter, e com que profundo interesse observava o resultado, ao pesar o jovem a proposta! Se decidisse seguir a Cristo, deveria em tudo obedecer-Lhe as palavras. Deveria dar as costas a seus ambiciosos projetos. Com que vivo, ansioso anelo, com que sede da alma, contemplava o Salvador o moço, esperando que cedesse ao convite do Espírito Santo! Cristo apresentou os únicos termos que poderiam colocar o príncipe em condições de aperfeiçoar o caráter cristão. Suas palavras eram palavras de sabedoria, conquanto parecessem severas e exigentes. Aceitá-las e obedecer-lhes era a única esperança de salvação para o jovem. Sua elevada posição e os bens que possuía, estavam exercendo em seu caráter uma sutil influência para o mal. Se acariciados, suplantariam Deus em suas afeições. Reter do Senhor pouco ou muito, era conservar aquilo que lhe diminuiria a força e a eficiência moral; pois se as coisas deste mundo são nutridas, embora incertas e sem valor, tornar-se-ão de todo absorventes. O príncipe foi pronto em discernir o que as palavras de Cristo envolviam, e ficou triste. Houvesse compreendido o valor do dom oferecido, e desde logo se teria alistado entre os seguidores de Cristo. Era membro do honrado conselho dos judeus, e Satanás o estava tentando com lisonjeiras perspectivas quanto ao futuro. Queria o tesouro celestial, mas desejava igualmente as vantagens temporais que as riquezas lhe trariam. Entristeceu-se de que existissem essas condições; queria a vida eterna, mas não estava disposto a fazer o sacrifício. O custo da vida eterna afigurou-se-lhe demasiado grande e retirou-se triste; “porque possuía muitas propriedades”. Marcos 10:22. Sua afirmação de haver observado a lei divina era um engano. Mostrou que as riquezas eram seu ídolo. Não podia guardar os mandamentos de Deus, enquanto o mundo ocupasse o primeiro lugar em suas afeições. Amava os dons divinos mais que o próprio Doador. Cristo oferecera ao jovem a convivência com Ele. “Segue-Me”, disse. Mas o Salvador não era tanto para ele como seu próprio nome entre os homens, ou os bens que possuía. Renunciar ao tesouro terrestre, que era visível, pelo celestial, que não podia ver, era arriscar demasiado. Recusou o oferecimento da vida eterna, e foi embora, e haveria o mundo, daí em diante, de receber sempre o seu culto. Milhares estão passando por essa prova, pesando Cristo contra o mundo; e muitos são os que escolhem o mundo. Como o jovem príncipe, retiram-se do Salvador, dizendo em seu coração: Não quero que esse homem seja meu guia. O trato de Cristo para com o jovem é apresentado como lição objetiva. Deus nos deu a regra de conduta que cada um de Seus servos deve seguir. É obediência a Sua lei, não somente a obediência formal, mas a que penetra na vida e se demonstra no caráter. Deus estabeleceu Sua norma de caráter para todos os que se quiserem tornar súditos de Seu reino. Unicamente os que se tornarem coobreiros de Cristo, só os que disserem: Senhor, tudo quanto possuo e sou, Te pertence, serão reconhecidos como filhos e filhas de Deus. Todos devem considerar o que significa desejar o Céu, e todavia voltar as costas em face das condições estabelecidas. Pensai no que significa dizer “Não” a Cristo. O príncipe disse: Não, não Te posso dar tudo. Diremos o mesmo? O Salvador Se oferece para participar conosco na obra que Deus nos deu a fazer. Propõe servir-Se dos meios que Deus nos deu, para levar avante Sua obra no mundo. Unicamente por essa maneira nos pode Ele salvar. Os bens do príncipe lhe foram confiados para que se demonstrasse um fiel mordomo; devia servir-se desses bens para benefício dos necessitados. Assim hoje Deus confia haveres aos homens, talentos e oportunidades, a fim de que sejam instrumentos Seus no ajudar os pobres e sofredores. Aquele que emprega os dons que lhe foram confiados segundo os desígnios divinos, torna-se coobreiro do Salvador. Conquista almas para Cristo, porque é representante de Seu caráter. Para os que, como o jovem príncipe, ocupam altas posições de confiança e têm grandes riquezas, talvez se afigure demasiado grande o sacrifício de abandonar tudo a fim de seguir a Cristo. Mas esta é a regra de conduta para todos quantos quiserem tornar-se Seus discípulos. Coisa alguma menos que obediência pode ser aceita. A entrega do próprio eu é a essência dos ensinos de Cristo. É por vezes apresentada em linguagem que se afigura autoritária, porque não há outro modo de salvar homens senão cortar fora as coisas que, mantidas, aviltarão todo o ser. Quando os seguidores de Cristo Lhe devolvem o que Lhe é devido, estão acumulando tesouro que lhes será entregue quando ouvirem as palavras: “Bem está, bom e fiel servo […] entra no gozo do teu Senhor”. Mateus 25:23. “O qual pelo gozo que Lhe estava proposto suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-Se à destra do trono de Deus”. Hebreus 12:2. A alegria de ver pessoas redimidas, eternamente salvas, eis a recompensa de todos os que assentam os pés nas pegadas dAquele que disse: “Segue-Me.”

 

Fonte: https://m.egwwritings.org/pt/book/1813.2257#2257 e https://m.egwwritings.org/pt/book/1813.2286

COMENTÁRIO SOBRE O Desejado de Todas as Nações, cap. 52-53

Vários anos atrás, interrompi uma longa viagem de carro para uma pausa, em uma parada em um parque. Poder me esticar e tirar uma soneca na minha van foi revigorante e logo eu estava pronta para retomar minha jornada. Saí então da van, parei na beira do playground lotado, e chamei: “Meninos, vamos, é hora de ir!” Um mar de rostos se voltou para a minha voz, mas apenas três deixaram o playground e se entraram na minha van. Eu poderia ter tentado falar mais alto ou ser mais insistente ou até implorado, mas não acho que mais crianças teriam atendido ao meu chamado.

Por que estes três agiram diferente? Eles eram meus meninos e eles conheciam minha voz. Apenas meus meninos vieram para a van. O resto se afastou da voz de um estranho. Naquele exato momento, percebi quanta coisa depende dos relacionamentos. Muito depende de poder reconhecer a voz de quem mais te ama.

“Não é o temor do castigo, ou a esperança da recompensa eterna, que leva os discípulos de Cristo a segui-Lo. Contemplam o incomparável amor do Salvador revelado em Sua peregrinação na Terra, da manjedoura de Belém à cruz do Calvário, e essa visão dEle atrai, abranda e subjuga o coração. O amor desperta na alma dos que O contemplam. Ouvem-Lhe a voz e seguem-nO.” DA 480.3

Karen Lifshay
Hermiston, Oregon

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/da/52-53
Equippe de tradução: Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Jobson Santos

O DESEJADO DE TODAS AS NAÇÕES, cap. 52-53

Capítulo 52 — O divino pastor

Este capítulo é baseado em João 10:1-30.

Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a Sua vida pelas ovelhas.” “Eu sou o bom Pastor, e conheço as Minhas ovelhas, e das Minhas sou conhecido. Assim como o Pai Me conhece a Mim, também Eu conheço o Pai, e dou a Minha vida pelas ovelhas”. João 10:11, 14, 15.

Mais uma vez Jesus achou acesso ao espírito dos ouvintes, mediante as cenas a eles familiares. Comparara a influência do Espírito à água pura e refrigerante. Representara-Se como a luz, fonte de vida e alegria para a natureza e o homem. Agora, num belo quadro pastoral, apresenta Suas relações com os que nEle crêem. Cena alguma era mais familiar aos ouvintes do que esta, e as palavras de Cristo ligaram-na para sempre a Ele. Nunca poderiam os discípulos contemplar os pastores cuidando dos rebanhos, sem recordar a lição do Salvador. Veriam Cristo em cada fiel pastor. Ver-se-iam em cada rebanho desajudado e dependente. Essa imagem, aplicara o profeta Isaías à missão de Cristo, nas confortadoras palavras: “Tu, anunciador de boas-novas a Sião, sobe tu a um monte alto. Tu, anunciador de boas-novas a Jerusalém, levanta a tua voz fortemente; levanta-a, não temas, e dize às cidades de Judá: Eis aqui está o vosso Deus. […] Como pastor apascentará o Seu rebanho; entre os Seus braços recolherá os cordeirinhos, e os levará no Seu regaço”. Isaías 40:9-11. Davi cantara: “O Senhor é o meu pastor; nada me faltará”. Salmos 23:1. E, por intermédio de Ezequiel, declarara o Espírito Santo: “E levantarei sobre elas um só Pastor, e Ele as apascentará”; “a perdida buscarei, e a desgarrada tornarei a trazer, e a quebrantada ligarei, e a enferma fortalecerei”. “E farei com elas um concerto de paz.” “E não servirão mais de rapina aos gentios, […] e habitarão seguramente, e ninguém haverá que as espante”. Ezequiel 34:23, 16, 25, 28. Cristo aplicou essas profecias a Si mesmo, e mostrou o contraste entre Seu caráter e o dos guias de Israel. Os fariseus acabavam de expulsar uma ovelha do redil, por haver ousado testificar do poder de Cristo. Excluíram uma alma a quem o verdadeiro Pastor estava atraindo para Si. Nisto se mostraram ignorantes da obra a eles confiada, e indignos do legado que lhes fora entregue como pastores do rebanho. Jesus lhes apresentou então o contraste entre eles e o bom Pastor, e declarou-Se o verdadeiro guarda do rebanho de Deus. Antes disso, entretanto, falou de Si mesmo sob outro símbolo. Disse: “Aquele que não entra pela porta no curral das ovelhas, mas sobe por outra parte, é ladrão e salteador. Aquele, porém, que entra pela porta é o pastor das ovelhas”. João 10:1. Os fariseus não compreenderam que essas palavras eram proferidas contra eles. Ao raciocinarem em seu coração quanto ao sentido das mesmas, Jesus lhes disse claramente: “Eu sou a porta; se alguém entrar por Mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá e achará pastagens. O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; Eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância”. João 10:9, 10. Jesus é a porta do redil de Deus. Por essa porta acharam entrada todos os Seus filhos, desde os mais antigos tempos. Em Jesus, segundo é mostrado em tipos, prefigurados em símbolos, manifestado nas revelações dos profetas, patenteado nas lições dadas aos discípulos e nos milagres operados em favor dos filhos dos homens, têm eles contemplado “o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (João 1:29), e por meio dEle são introduzidos no aprisco de Sua graça. Muitos têm vindo apresentando outros objetos à fé do mundo; têm-se imaginado cerimônias e sistemas pelos quais os homens esperam receber a justificação e a paz com Deus, encontrando assim entrada para Seu redil. Mas a única porta é Cristo, e todos quantos têm interposto qualquer coisa para tomar o lugar dEle, todos quantos têm buscado entrar no aprisco por qualquer outro modo, são ladrões e salteadores. Os fariseus não entraram pela porta. Subiram ao aprisco por outro meio que não Cristo, e não estavam realizando a obra do verdadeiro pastor. Os sacerdotes e principais, os escribas e fariseus, destruíam as pastagens vivas, e corrompiam as fontes da água da vida. Fielmente descreve a palavra inspirada esses falsos pastores: “A fraca não fortalecestes, e a doente não curastes, e a quebrada não ligastes, e a desgarrada não tornastes a trazer, […] mas dominastes sobre elas com rigor e dureza”. Ezequiel 34:4. Em todos os séculos, filósofos e mestres têm apresentado ao mundo teorias para satisfazer as necessidades espirituais. Todas as nações pagãs têm tido seus grandes mestres e sistemas religiosos, oferecendo outros meios de redenção fora de Cristo, desviando os olhos dos homens da face do Pai e enchendo-os de temor dAquele que só lhes tem dado bênçãos. A tendência de sua obra é roubar a Deus do que Lhe pertence, tanto pela criação como pela redenção. E esses falsos mestres roubam igualmente os homens. Milhões de criaturas humanas acham-se presas a falsas religiões, na escravidão de um temor servil, de estulta indiferença, trabalhando como animais de carga, destituídos de esperança, alegria ou inspiração aqui, e tendo apenas um néscio temor do além. É unicamente o evangelho da graça de Deus que pode erguer a alma. A contemplação de Seu amor, manifestado em Seu Filho, comoverá o coração e despertará as energias da alma como nenhuma outra coisa o poderia fazer. Cristo veio para restaurar na humanidade a imagem divina; e quem quer que dEle desviar os homens, afasta-os da fonte do verdadeiro desenvolvimento, defraudando-os da esperança, do desígnio e da glória da vida. É ladrão e salteador. “Aquele, porém, que entra pela porta é o pastor das ovelhas”. João 10:2. Cristo é tanto a porta como o pastor. Entra por Si mesmo. É mediante Seu próprio sacrifício que Se torna pastor das ovelhas. “A Este o porteiro abre, e as ovelhas ouvem a Sua voz, e chama pelo nome às Suas ovelhas, e as traz para fora. E, quando tira para fora as Suas ovelhas, vai adiante delas, e as ovelhas O seguem, porque conhecem a Sua voz”. João 10:3, 4. De todos os animais, é a ovelha o mais tímido e destituído de elementos de defesa, e no Oriente o cuidado do pastor por seu rebanho é infatigável e incessante. Antigamente, como hoje, pouca segurança existia fora das cidades muradas. Ladrões das tribos errantes das fronteiras, ou animais de rapina saindo dos covis nas rochas, ficavam à espreita para cair em cima do rebanho. O pastor velava seu depósito, sabendo que o fazia com risco da própria vida. Jacó, que guardava os rebanhos de Labão nos pastos de Harã, descrevendo seu infatigável labor, disse: “De dia me consumia o calor, e de noite a geada; e o meu sono foi-se dos meus olhos”. Gênesis 31:40. E foi quando velava o rebanho de seu pai, que o jovem Davi, desarmado, enfrentou o leão e o urso, salvando-lhes dos dentes o roubado cordeirinho. Ao conduzir o pastor seu rebanho pedregosas colinas acima, através de florestas e barrancos abruptos, a relvosos recantos à margem da corrente; ao vigiá-lo sobre as montanhas através da noite silenciosa, protegendo-o contra os ladrões, cuidando ternamente da enferma e da fraca, sua vida se chega a identificar com a das ovelhas. Um forte e terno apego o liga aos objetos de seu cuidado. Por grande que seja o rebanho, o pastor conhece cada ovelha. Cada uma tem seu nome, e a ele atende, ao chamado do pastor. Como o pastor terrestre conhece as ovelhas, assim o divino Pastor conhece o Seu rebanho, espalhado por todo o mundo. “Vós pois, ó ovelhas Minhas, ovelhas do Meu pasto: homens sois, mas Eu sou o vosso Deus, diz o Senhor Jeová”. Ezequiel 34:31. Afirma Jesus: “Chamei-te pelo teu nome, tu é Meu”. Isaías 32:1. “Nas palmas das Minhas mãos te tenho gravado”. Isaías 49:16. Jesus nos conhece individualmente, e comove-Se ante nossas fraquezas. Conhece-nos a todos por nome. Sabe até a casa em que moramos, o nome de cada um dos moradores. Tem por vezes dado instruções a Seus servos para irem a determinada rua, em certa cidade, a uma casa designada, a fim de encontrar uma de Suas ovelhas. Cada alma é tão perfeitamente conhecida a Jesus, como se fora ela a única por quem o Salvador houvesse morrido. As dores de cada uma Lhe tocam o coração. O grito de socorro chega-Lhe ao ouvido. Veio para atrair a Si todos os homens. Ordena-lhes: “Segue-Me”, e Seu Espírito lhes comove a alma, atraindo-os para Ele. Muitos recusam ser atraídos. Jesus sabe quem são. Sabe igualmente quais os que Lhe escutam de boa vontade ao chamado, e estão prontos a colocar-se sob Seu pastoral cuidado. Diz Ele: “As Minhas ovelhas ouvem a Minha voz, e Eu conheço-as, e elas Me seguem.” Cuida de cada uma, como se não houvesse nenhuma outra na face da Terra. “Chama pelo nome as Suas ovelhas, e as traz para fora. E, […] as ovelhas O seguem, porque conhecem a Sua voz”. João 10:3, 4. O pastor oriental não tange as ovelhas. Não se vale da força nem do temor; mas, indo na frente, chama-as. Elas lhe conhecem a voz e obedecem ao chamado. Assim faz o Pastor-Salvador com Suas ovelhas. Diz a Escritura: “Guiaste o Teu povo, como a um rebanho, pela mão de Moisés e de Arão”. Salmos 77:20. Por intermédio do profeta, declara Jesus: “Com amor eterno te amei, também com amorável benignidade te atraí”. Jeremias 31:3. Não força ninguém a segui-Lo. “Atrai-os com cordas humanas, com cordas de amor”. Oséias 11:4. Não é o temor do castigo, ou a esperança da recompensa eterna, que leva os discípulos de Cristo a segui-Lo. Contemplam o incomparável amor do Salvador revelado em Sua peregrinação na Terra, da manjedoura de Belém à cruz do Calvário, e essa visão dEle atrai, abranda e subjuga o coração. O amor desperta na alma dos que O contemplam. Ouvem-Lhe a voz e seguem-nO. Como o pastor vai adiante das ovelhas, enfrentando primeiro o perigo do caminho, assim faz Jesus com Seu povo. “E, quando tira para fora as Suas ovelhas, vai adiante delas”. João 10:4. O caminho para o Céu é consagrado pelas pegadas do Salvador. A vereda pode ser íngreme e acidentada, mas Jesus por ela passou; Seus pés calcaram os cruéis espinhos, a fim de tornar mais fácil o trilho para nós. Todo fardo que somos chamados a suportar, levou-o Ele próprio. Conquanto agora tenha ascendido à presença de Deus e compartilhe o trono do Universo, Jesus não perdeu nada de Sua compassiva natureza. O mesmo coração terno, pleno de simpatia, encontra-se hoje aberto a todas as misérias da humanidade. A mão ferida estende-se agora para abençoar ainda mais abundantemente os Seus que estão no mundo. “E nunca hão de perecer, e ninguém pode arrebatá-las da Minha mão.” A alma que se entregou a Cristo é mais preciosa a Seus olhos do que todo o mundo. O Salvador teria passado pela agonia do Calvário para que uma única alma fosse salva no Seu reino. Jamais abandonará uma pessoa por quem morreu. A menos que Seus seguidores O queiram deixar, Ele os há de segurar firmemente. Em meio de todas as nossas provações, temos um infalível Ajudador. Não nos deixa lutar sozinhos com a tentação, combater o mal, e ser afinal esmagados ao peso dos fardos e das dores. Conquanto Se ache agora oculto aos olhos mortais, o ouvido da fé pode-Lhe ouvir a voz, dizendo: Não temas; Eu estou contigo. “Eu sou […] o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre”. Apocalipse 1:18. Suportei as vossas dores, experimentei as vossas lutas, enfrentei as vossas tentações. Conheço as vossas lágrimas; também Eu chorei. Aqueles pesares demasiado profundos para serem desafogados em algum ouvido humano, Eu os conheço. Não penseis que estais perdidos e abandonados. Ainda que vossa dor não encontre eco em nenhum coração na Terra, olhai para Mim e vivei. “As montanhas se desviarão, e os outeiros tremerão; mas a Minha benignidade não se apartará de ti, e o concerto da Minha paz não mudará, diz o Senhor, que Se compadece de ti”. Isaías 54:10. Por mais que um pastor ame a suas ovelhas, ama ainda mais a seus próprios filhos e filhas. Jesus não é somente nosso pastor; é nosso “eterno Pai”. E Ele diz: “Conheço as Minhas ovelhas, e das Minhas sou conhecido. Assim como o Pai Me conhece a Mim, também Eu conheço o Pai.” Que declaração esta! É Ele o Filho unigênito, Aquele que Se acha no seio do Pai, Aquele que Deus declarou ser “o Varão que é o Meu companheiro” (Zacarias 13:7), e apresenta a união entre Ele e o eterno Deus como figura da que existe entre Ele e Seus filhos na Terra! Porque somos o dom de Seu Pai, e o galardão de Sua obra, Jesus nos ama. Ama-nos como filhos Seus. Leitor, Ele te ama. O próprio Céu não pode conceder nada maior, nada melhor. Portanto, confia. Jesus pensava em todas as almas da Terra que eram transviadas por falsos pastores. Aquelas a quem desejava congregar como ovelhas de Seu pasto, estavam espalhadas entre lobos, e Ele disse: “Ainda tenho outras ovelhas que não são deste aprisco; também Me convém agregar estas, e elas ouvirão a Minha voz, e haverá um rebanho e um Pastor”. João 10:16. “Por isto o Pai Me ama, porque dou a Minha vida para tornar a tomá-la”. João 10:17. Isto é: Tanto Meu Pai vos amou, que Me ama ainda mais por Eu dar Minha vida para vos redimir. Tornando-Me vosso substituto e penhor, por entregar a Minha vida, por tomar vossas dívidas, vossas transgressões, torno-Me mais querido a Meu Pai. “Dou a Minha vida para tornar a tomá-la. Ninguém Ma tira de Mim, mas Eu de Mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la”. João 10:18. Conquanto como membro da família humana fosse mortal, como Deus era Ele a fonte da vida para o mundo. Poderia haver detido os passos da morte e recusado ficar sob seu domínio; mas voluntariamente entregou a vida, a fim de poder trazer à luz a vida e a imortalidade. Suportou o pecado do mundo, sofreu-lhe a maldição, entregou a vida em sacrifício, para que o homem não morresse eternamente. “Verdadeiramente Ele tomou sobre Si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre Si; […] Ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e pela Suas pisaduras fomos sarados. Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre Ele a iniqüidade de nós todos”. Isaías 53:4-6.

Capítulo 53 — A última jornada da Galiléia

Este capítulo é baseado em Lucas 9:51-56; 10:1-24.

À medida que se aproximava o termo do ministério de Cristo, operava-se uma mudança em Sua maneira de trabalhar. Até então procurava evitar agitação e publicidade. Recusara as homenagens do povo, e passara rapidamente de um lugar a outro, quando o entusiasmo popular em seu favor parecia exceder os limites do domínio. Repetidamente recomendara que ninguém declarasse ser Ele o Cristo.

Ao tempo da festa dos tabernáculos, Sua viagem para Jerusalém fora feita com rapidez e sigilo. Quando solicitado por Seus irmãos a Se apresentar publicamente como o Messias, respondera: “Ainda não é chegado o Meu tempo”. João 7:6. Fez o caminho para Jerusalém sem ser observado, e na cidade penetrou sem Se anunciar, não recebendo honras da multidão. Assim não se deu, porém, quando de Sua última viagem. Em razão da malícia dos sacerdotes e rabinos, deixara Jerusalém por algum tempo. Mas agora Se dispôs a voltar, jornadeando publicamente, numa viagem cheia de rodeios, e precedida de anúncios de Sua aproximação como nunca antes fizera. Ia avançando para a cena de Seu grande sacrifício, e para este devia ser dirigida a atenção do povo. “Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado”. João 3:14. Como os olhos de todo Israel foram dirigidos à serpente erguida, o símbolo designado para cura deles, assim devem todos os olhares serem atraídos a Cristo, o sacrifício que trouxe salvação ao mundo perdido. Fora o falso conceito da obra do Messias e a falta de fé no divino caráter de Jesus, que levaram Seus irmãos a solicitar que Se apresentasse publicamente ao povo na festa dos tabernáculos. Agora, em idêntico espírito, os discípulos quiseram impedir que Ele fizesse essa viagem a Jerusalém. Lembravam-se de Suas palavras quanto ao que Lhe sobreviria ali, conheciam a mortal hostilidade dos guias religiosos e de bom grado haveriam dissuadido seu Mestre de ir lá. Dolorosa coisa era para o coração de Jesus, avançar em Seu caminho a despeito dos temores, decepções e incredulidade dos amados discípulos. Duro era conduzi-los à angústia e desespero que os aguardavam em Jerusalém. E Satanás estava a postos para forçar suas tentações sobre o Filho do homem. Por que iria agora a Jerusalém, a uma morte certa? Por toda parte, ao Seu redor, estavam almas famintas do pão da vida. Por todo lado, almas sofredoras a esperar-Lhe a palavra de cura. A obra a ser operada pelo evangelho de Sua graça apenas começara. E Ele Se achava em pleno vigor da primavera da varonilidade. Por que não ir aos vastos campos do mundo com as palavras de Sua graça, o toque de Seu poder de curar? Por que não Se dar a alegria de conceder luz e satisfação aos entenebrecidos e sofredores milhões de criaturas? Por que deixar a colheita aos discípulos, tão fracos na fé, tão pesados de entendimento, tão tardios para agir? Por que enfrentar a morte agora, e deixar a obra ainda em sua infância? O inimigo que no deserto se defrontara com Cristo, assaltou-O então com cruéis e sutis tentações. Houvesse Jesus cedido por um instante, houvesse mudado Sua orientação no mínimo particular para salvar a Si mesmo, e os instrumentos de Satanás haveriam triunfado, ficando o mundo perdido. Mas Jesus “manifestou o firme propósito de ir a Jerusalém”. A única lei de Sua vida era a vontade de Seu Pai. Na visita ao templo, em Sua meninice, dissera a Maria: “Não sabeis que Me convém tratar dos negócios de Meu Pai?” Lucas 2:49. Em Caná, quando Maria desejou que Ele manifestasse o poder miraculoso que possuía, Sua resposta foi: “Ainda não é chegada a Minha hora”. João 2:4. Com as mesmas palavras respondeu a Seus irmãos, quando insistiram em que fosse à festa. Mas no grande plano de Deus fora designada a hora para que Ele Se desse em oferta pelos pecados dos homens, e essa hora estava prestes a soar. Ele não fracassaria nem vacilaria. Seus passos se dirigem a Jerusalém, onde Seus inimigos há muito planejam tirar-Lhe a vida; agora, Ele a deporá. Assentou firmemente o propósito de ir ao encontro da perseguição, da negação, rejeição e condenação e morte. E “mandou mensageiros diante da Sua face; e, indo eles, entraram numa aldeia de samaritanos, para Lhe prepararem pousada”. Lucas 9:52. Mas o povo recusou recebê-Lo, porque estava de caminho para Jerusalém. Isso eles interpretaram como uma preferência de Cristo pelos judeus, a quem aborreciam com ódio intenso. Houvesse Ele vindo para restaurar o templo e o culto do Monte Gerizim, e tê-Lo-iam de boa vontade acolhido; mais ia para Jerusalém, e não Lhe dispensariam nenhuma hospitalidade. Mal percebiam que estavam repelindo de suas portas o melhor dom do Céu! Jesus convidava os homens a recebê-Lo, pedia-lhes favores a fim de Se aproximar deles, para lhes conferir as mais ricas bênçãos. Todo favor a Ele concedido, galardoava com uma bênção mais preciosa. Mas tudo se perdeu para os samaritanos, devido a seu preconceito e fanatismo. Tiago e João, mensageiros de Cristo, ficaram muito ressentidos ante o insulto feito a seu Senhor. Encheram-se de indignação por verem-nO tão rudemente tratado pelos samaritanos, a quem estava honrando com Sua presença. Não havia muito, estiveram com Ele no monte da transfiguração e O viram glorificado por Deus, e honrado por Moisés e Elias. Esta manifesta desonra da parte dos samaritanos não devia, pensavam, ser passada por alto, sem assinalado castigo. Indo ter com Cristo, relataram-Lhe as palavras dos habitantes da aldeia, dizendo que haviam recusado até oferecer-Lhe pousada para a noite. Pensavam que Lhe tinha sido feita grave ofensa e, avistando a distância o Monte Carmelo, onde Elias matara os falsos profetas, disseram: “Senhor, queres que digamos que desça fogo do Céu e os consuma, como Elias também fez?” Ficaram surpreendidos de ver que Jesus Se magoava com as palavras deles, e ainda mais ao ouvirem-Lhe a censura: “Vós não sabeis de que espírito sois. Porque o Filho do homem não veio para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las”. Lucas 9:55, 56. E foi para outra aldeia. Não faz parte da missão de Cristo obrigar os homens a recebê-Lo. Satanás, e homens movidos por seu espírito, é que buscam forçar a consciência. Sob pretendido zelo pela justiça, homens aliados a anjos maus infligem sofrimento aos semelhantes, a fim de os converter a suas idéias religiosas; mas Cristo está sempre mostrando misericórdia, sempre procurando conquistar mediante a revelação de Seu amor. Não pode admitir rival na alma, nem aceita serviço parcial; mas deseja apenas o serviço voluntário, a espontânea entrega do coração constrangido pelo amor. Não há mais conclusiva prova de possuirmos o espírito de Satanás, do que a disposição de causar dano e destruir aos que não apreciam nossa obra, ou procedem em contrário a nossas idéias. Toda criatura humana é, corpo, alma e espírito, propriedade de Deus. Cristo morreu para redimir a todos. Coisa alguma pode ser mais ofensiva ao Senhor do que, através do fanatismo religioso, os homens causarem sofrimento aos que são o preço do sangue do Salvador. “E, levantando-Se dali, foi para os termos da Judéia, além do Jordão, e a multidão se reuniu em torno dEle; e tornou a ensiná-los”. Marcos 10:1. Parte considerável dos últimos meses do ministério de Cristo foi passada na Peréia, província “além do Jordão”, de quem vem da Judéia. Ali a multidão se aglomerava aos Seus passos, como nos primeiros tempos de Seu ministério na Galiléia, e foram repetidos muitos de Seus anteriores ensinos. Como enviara os doze, assim designou “ainda outros setenta, e mandou-os adiante da Sua face, de dois em dois, a todas as cidades e lugares onde Ele havia de ir”. Esses discípulos haviam estado por algum tempo com Ele, preparando-se para sua obra. Ao serem os doze enviados em sua primeira missão à parte, outros discípulos acompanharam Jesus pela Galiléia. Tinham tido assim o privilégio da íntima associação com Ele, e Suas instruções pessoais. Agora, esse maior número também devia ser enviado separadamente em missão. As instruções transmitidas aos setenta, eram idênticas às comunicadas aos doze; mas a ordem dada aos doze, de não entrar em cidade de gentios ou de samaritanos, não foi repetida aos setenta. Embora Cristo houvesse sido repelido pelos samaritanos, permaneceu inalterável Seu amor para com eles. Quando os setenta foram, em Seu nome, visitaram antes de tudo as cidades de Samaria. A visita do próprio Salvador a Samaria, e, mais tarde, o elogio do bom samaritano, e a reconhecida alegria do leproso, aquele que fora o único, dentre os dez, a voltar para agradecer a Cristo, foram fatos muito significativos para os discípulos. A lição penetrou-lhes fundo na alma. Na comissão que lhes deu exatamente antes de Sua ascensão, Jesus mencionou Samaria juntamente com Jerusalém e a Judéia, como sendo os lugares onde deviam ir primeiramente pregar o evangelho. Esta comissão, Seus ensinos os prepararam para cumprir. Quando, em nome de Seu Mestre, foram a Samaria, encontraram o povo pronto a recebê-los. Os samaritanos tinham ouvido falar nas palavras de louvor e nas obras de misericórdia concedidas por Cristo a homens de sua nação. Viram que, não obstante o rude tratamento que Lhe deram, Ele só tinha pensamentos de amor a seu respeito, e seu coração foi conquistado. Depois de Sua ascensão, receberam bem os mensageiros do Salvador, e os discípulos recolheram uma preciosa colheita dentre os que outrora haviam sido seus mais obstinados inimigos. “A cana trilhada não quebrará nem apagará o pavio que fumega; em verdade produzirá o juízo”. Isaías 42:3. “E no Seu nome os gentios esperarão”. Mateus 12:21. Ao enviar os setenta, Jesus lhes recomendou, como fizera aos doze, não impor sua presença onde não fossem bem acolhidos. “Em qualquer cidade em que entrardes e não vos receberem”, disse, “saindo por suas ruas, dizei: Até o pó, que da vossa cidade se nos apegou, sacudimos sobre vós. Sabei, contudo, isto, que já o reino de Deus é chegado a vós”. Lucas 10:8, 10, 11. Não deviam proceder assim por motivos de ressentimento ou de dignidade ferida, mas para mostrar quão ofensivo é recusar a mensagem do Senhor ou Seus mensageiros. Rejeitar os servos do Senhor é rejeitar o próprio Cristo. “E digo-vos”, acrescentou Jesus, “que mais tolerância haverá naquele dia para Sodoma do que para aquela cidade”. Lucas 10:12. Então Seus pensamentos se volveram para as cidades galiléias onde se realizara tão grande parte de Seu ministério. Em acentos de profunda tristeza, exclamou: “Ai de ti, Corazim, ai de ti, Betsaida que, se em Tiro e em Sidom se fizessem as maravilhas que em vós foram feitas, já há muito, assentadas em saco e cinza, se teriam arrependido. Portanto, para Tiro e Sidom haverá menos rigor no juízo, do que para vós. E tu, Cafarnaum, serás levantada até ao Céu? até ao inferno serás abatida”. Lucas 10:13-15. Àquelas ativas cidades junto ao Mar da Galiléia, haviam sido abundantemente oferecidas as mais preciosas bênçãos do Céu. Dia após dia, o Príncipe da vida entrara e saíra entre elas. A glória de Deus, que profetas e reis anelaram ver, brilhara sobre as multidões que se aglomeravam após o Salvador. Todavia, rejeitaram o Dom celestial. Com grande ostentação de prudência, haviam os rabinos advertido o povo contra a recepção das novas doutrinas ensinadas por esse novo Mestre; pois Suas teorias e costumes eram contrários aos ensinos dos Pais. O povo deu crédito ao que ensinavam os sacerdotes e fariseus, de preferência a buscar entender por si mesmos a Palavra de Deus. Honravam aos sacerdotes e principais de preferência a Deus, e rejeitavam a verdade para poderem guardar as próprias tradições. Muitos foram impressionados e quase persuadidos; não agiram, porém, segundo suas convicções, e não se contaram do lado de Cristo. Satanás apresentou suas tentações, até que a luz pareceu como as trevas. Assim muitos rejeitaram a verdade que se teria demonstrado ser a sua salvação. Diz a Testemunha Verdadeira: “Eis que estou à porta, e bato”. Apocalipse 3:20. Toda advertência, reprovação e súplica, transmitida pela Palavra de Deus ou por Seus mensageiros, é uma batida na porta do coração. É a voz de Jesus que solicita entrada. A cada toque não atendido, torna-se mais fraca a disposição para abrir. A impressão do Espírito Santo que é hoje rejeitada, não será tão forte amanhã. O coração torna-se menos impressionável, e cai numa perigosa inconsciência da brevidade da vida e da grande eternidade além. Nossa condenação no Juízo não será resultado de havermos estado em erro, mas do fato de termos negligenciado as oportunidades enviadas pelo Céu, para conhecer a verdade. Como os apóstolos, os setenta receberam dons sobrenaturais como selo de sua missão. Quando sua obra estava completa, voltaram com alegria, dizendo: “Senhor, pelo Teu nome, até os demônios se nos sujeitam.” Jesus respondeu: “Eu via Satanás, como raio, cair do Céu”. Lucas 10:18. Ao espírito de Jesus apresentaram-se as cenas do passado e do futuro. Contemplou Lúcifer, ao ser no princípio expulso dos lugares celestiais. Viu antecipadamente as cenas de Sua própria agonia, quando, perante todos os mundos, havia de revelar-se o caráter do enganador. Ouviu o brado: “Está consumado” (João 19:30), anunciando estar para sempre assegurada a redenção da raça perdida e achar-se eternamente a salvo das acusações, enganos e pretensões de Satanás. Para além da cruz do Calvário, com sua angústia e opróbrio, contemplou Jesus o grande dia final, quando o príncipe das potestades do ar encontrará sua destruição na Terra tão longamente desfigurada por sua rebelião. Jesus contemplou a obra do mal para sempre finda, e a paz de Deus enchendo o Céu e a Terra. Daí em diante os seguidores de Cristo haviam de olhar a Satanás como inimigo vencido. Na cruz havia de alcançar a vitória por eles; essa vitória queria Jesus que aceitassem como deles mesmos. “Eis que vos dou poder para pisar serpentes, e escorpiões, e toda a força do inimigo, e nada vos fará dano algum”. Lucas 10:19. A onipotente força do Espírito Santo é a defesa de toda alma contrita. A ninguém que, em arrependimento e fé, haja invocado Sua proteção, permitirá Cristo que caia sob o poder do inimigo. O Salvador Se acha ao lado de Suas criaturas tentadas e provadas. Com Ele não pode haver coisa como fracasso, perda, impossibilidade ou derrota; podemos fazer todas as coisas por meio dAquele que nos fortalece. Ao sobrevirem as tentações e provas, não espereis até haverdes ajustado todas as dificuldades, mas olhai a Jesus, vosso ajudador. Há cristãos que falam demais sobre o poder de Satanás. Pensam em seu adversário, oram a seu respeito, falam nele, e ele avulta mais e mais em sua imaginação. É certo que Satanás é um ser poderoso; mas, graças a Deus, temos um forte Salvador, que expulsou do Céu o maligno. Satanás regozija-se quando lhe engrandecemos a força. Por que não falar em Jesus? Por que não exaltar Seu poder e Seu amor? O arco-íris da promessa, que circunda o trono no alto, é um perpétuo testemunho de que “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. João 3:16. Ele testifica perante o Universo que Deus nunca abandonará Seu povo na luta com o mal. Enquanto durar o próprio trono de Deus, é para nós uma garantia de força e proteção. Jesus acrescentou: “Mas não vos alegreis por que se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos antes por estarem os vossos nomes escritos nos Céus”. Lucas 10:20. Não vos regozijeis na posse do poder, para que não olvideis vossa dependência de Deus. Vigiai, não se dê o caso de vos achardes possuídos de confiança em vós mesmos, nem trabalheis em vossas próprias forças, em vez de o fazer no espírito e poder de vosso Mestre. O eu está sempre pronto a tomar a honra, caso seja seguido de qualquer êxito. O eu lisonjeia-se e exalta-se, e não se faz sobre os outros espíritos a impressão de que Deus é tudo em todos. Diz o apóstolo Paulo: “Quando estou fraco então sou forte”. 2 Coríntios 12:10. Quando temos a compreensão de nossa fraqueza, aprendemos a confiar num poder que nos não é inerente. Coisa alguma pode exercer sobre o coração tão poderoso domínio, como o permanente sentimento de nossa responsabilidade para com Deus. Coisa alguma atinge tão plenamente aos mais íntimos motivos de conduta, como o sentimento do amor perdoador de Cristo. Temos de pôr-nos em contato com Deus, então seremos possuídos de Seu Espírito Santo, que nos habilita a pôr-nos em contato com nossos semelhantes. Regozijai-vos, pois, de que, por meio de Cristo, vos tenhais ligado a Deus, vos tenhais tornado membros da família celestial. Enquanto puserdes os olhos para além de vós mesmos, haveis de experimentar contínuo sentimento da fraqueza da humanidade. Quanto menos acariciardes o próprio eu, tanto mais distinta e ampla se tornará vossa compreensão da excelência de vosso Salvador. Quanto mais intimamente vos relacionardes com a fonte da luz e do poder, tanto mais abundante a luz que sobre vós incidirá, e maior o poder com que haveis de trabalhar para Deus. Regozijai-vos de ser um com Deus, um com Cristo, e com toda a família do Céu. Ao escutarem os setenta as palavras de Cristo, o Espírito Santo lhes estava impressionando a mente com realidades vivas, e escrevendo a verdade na tábua do coração. Embora rodeados pelo povo, achavam-se como que isolados com Deus. Sabendo que haviam recebido a inspiração daquela hora, “alegrou-Se Jesus no Espírito Santo, e disse: Graças Te dou, ó Pai, Senhor do Céu e da Terra, que escondestes estas coisas aos sábios e inteligentes, e as revelastes às criancinhas; assim é, ó Pai, porque assim Te aprouve. Tudo por Meu Pai Me foi entregue; e ninguém conhece quem é o Filho senão o Pai, nem que é o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar”. Lucas 10:21, 22. Os homens honrados neste mundo, os chamados grandes e sábios, com toda a sua alardeada sabedoria, não podiam compreender o caráter de Cristo. Julgavam-nO segundo as aparências exteriores, segundo a humilhação que Lhe sobreveio como criatura humana. Mas a pescadores e publicanos fora concedido ver o Invisível. Os próprios discípulos deixaram de compreender tudo quanto Jesus lhes desejava revelar; mas de quando em quando, ao entregarem-se ao poder do Espírito Santo, sua mente era iluminada. Percebiam que o poderoso Deus, revestido da humanidade, Se achava entre eles. Jesus regozijava-Se de que, embora os sábios e inteligentes não possuíssem esse conhecimento, houvesse ele sido revelado a esses humildes homens. Freqüentemente, ao apresentar as Escrituras do Antigo Testamento e mostrar sua aplicação a Ele próprio e a Sua obra de expiação, haviam sido despertados por Seu Espírito e erguidos à atmosfera celestial. Tinham, das verdades espirituais de que falavam os profetas, uma compreensão mais clara do que possuíam os próprios que originalmente as escreveram. Daí em diante, poderiam ler as Escrituras do Antigo Testamento não segundo as doutrinas dos escribas e fariseus, não como declarações de sábios já mortos, mas como uma nova revelação vinda de Deus. Contemplavam Aquele “que o mundo não pode receber, porque não O vê nem O conhece; mas vós O conheceis porque habita convosco, e estará em vós”. João 14:17. A única maneira por que podemos obter mais perfeita compreensão da verdade, é conservar o coração brando e submisso ao Espírito de Cristo. A alma deve ser purificada da vaidade e do orgulho, esvaziada de tudo quanto a tem dominado, e Cristo entronizado no interior. A ciência humana é demasiado limitada para compreender a expiação. O plano da redenção é de tão vasto alcance que a filosofia não o pode explicar. Permanecerá para sempre um mistério que o mais profundo raciocínio não logra aprofundar. Não é possível explicar a ciência da salvação; pode-se, no entanto, conhecê-la pela experiência; unicamente aquele que vê a própria pecaminosidade é capaz de discernir a preciosidade do Salvador. Repletas de instruções foram as lições dadas por Cristo, enquanto caminhavam lentamente da Galiléia para Jerusalém. O povo escutava ansiosamente Suas palavras. Na Peréia como na Galiléia, a população estava menos sob a influência do fanatismo judaico que na Judéia, e Seus ensinos encontraram mais acolhimento no coração deles. Foi durante esses últimos meses do ministério de Cristo, que proferiu muitas de Suas parábolas. Os sacerdotes e rabis O perseguiam com amargura cada vez maior, e Ele velava em símbolos as advertências que lhes dirigia. Eles não se podiam enganar quanto à Sua intenção, mas também não Lhe podiam encontrar nas palavras coisa alguma em que basear uma acusação contra Ele. Na parábola do fariseu e do publicano, a presunçosa oração: “Ó Deus, graças Te dou, porque eu não sou como os demais homens”, ficou em frisante contraste com a contrita súplica: “Tem misericórdia de mim, pecador”. Lucas 18:11, 13. Assim repreendia Cristo a hipocrisia dos judeus. E sob a figura da figueira estéril e da grande ceia, predisse a condenação prestes a cair sobre o impenitente povo. Os que haviam desdenhosamente rejeitado o convite ao banquete evangélico, ouviram-Lhe as palavras de advertência: “Eu vos digo que nenhum daqueles varões que foram convidados provará a Minha ceia”. Lucas 14:24. Muito preciosas foram as instruções dadas aos discípulos. A parábola da viúva importuna e do amigo que pedia pão à meia-noite, deu novo vigor a Suas palavras: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á”. Lucas 11:9. E muitas vezes sua vacilante fé se fortaleceu pela lembrança de que Cristo dissera: “E Deus não fará justiça aos Seus escolhidos, que clamam a Ele de dia e de noite, ainda que tardio para com eles? Digo-vos que depressa lhes fará justiça”. Lucas 18:7, 8. Cristo repetiu a bela parábola da ovelha desgarrada. E desenvolveu ainda mais sua lição, ao proferir a da moeda perdida e do filho pródigo. A força dessas lições, os discípulos não podiam então apreciar plenamente; depois do derramamento do Espírito Santo, porém, ao verem a colheita de gentios e a invejosa ira dos judeus, entenderam melhor a lição do filho pródigo e puderam colher o resultado das palavras de Cristo: “Era justo alegrarmo-nos e folgarmos”; “porque este Meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado”. Lucas 15:32, 24. E ao saírem em nome do Mestre, enfrentando o opróbrio, a pobreza e a perseguição, fortaleceram muitas vezes a alma repetindo o que lhes recomendara, quando nessa última jornada: “Não temas, ó pequeno rebanho, porque a vosso Pai agradou dar-vos o reino. Vendei o que tendes, e dai esmolas. Fazei para vós bolsas que não se envelheçam; tesouro nos Céus que nunca acabe, aonde não chega ladrão e a traça não rói. Porque onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração”. Lucas 12:32-34.

 

Fonte: https://m.egwwritings.org/pt/book/1813.2117#2117 e https://m.egwwritings.org/pt/book/1813.2150#2150

Comentário sobre Desejado de Todas as Nações, cap. 31

13/05/2018

Sentada no Monte das Bem-aventuranças em Israel, imagino o que deve ter sido ouvir Jesus pregar o sermão de valores e efeitos mais duradouros de todos os tempos. Nós o lemos em apenas nove versos em Mateus (8:5-13) e dezessete em Lucas (7:1-17), mas os conceitos que Jesus compartilhou naquele dia serão válidos por toda a eternidade.

Olhando para a Sua congregação, Jesus reconheceu imediatamente que seu foco estava na grandeza pessoal. Nacionalismo, honra, riqueza, fama e conforto eram a essência de suas esperanças. Jesus os redirecionou do orgulho para a humildade, serviço, arrependimento, autocontrole e perfeita confiança em Deus.

Com tato nascido da Divindade, Jesus enunciou aos seus ouvintes a condição de entrada no céu, ao invés de combater suas ideias errôneas do reino de Deus. Ele ansiava que Seu, povo ao longo dos séculos, entendesse que “da alma que sente sua necessidade, nada é retido… Todos que desejarem ter a semelhança do caráter de Deus serão satisfeitos.”

Nós não costumamos pensar no Sermão do Monte como literatura apocalíptica, mas o que poderia ser mais importante do que esses princípios para nós, para quem o fim do mundo está vindo? Existiria melhor meio de entendermos o ideal de Deus para Seu povo e Seu poder em nos capacitar para alcançarmos esse ideal do que através das poderosas palavras de Cristo, ditas em “uma colina distante”?

Cindy Tutsch
Diretora Associada aposentada do
Patrimônio Ellen G. White

 

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/da/31
Equipe de tradução: Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Pr Jobson Santos
Leia o capítulo 31 do Desejado de Todas as Nações aqui ou aqui

O DESEJADO DE TODAS AS NAÇÕES, CAP 31 – O sermão da montanha

Se preferir, baixe o texto ou o áudio em português no seguinte link: http://ellenwhiteaudio.org/pt/desejado-de-todas-as-nacoes/

 

Capítulo 31— O sermão da montanha

Este capítulo é baseado em Mateus 5-7.

Raramente reunia Cristo os discípulos a sós com Ele, para Lhe receberem a palavra. Não escolhia para auditório apenas os que conheciam o caminho da vida. Era Sua obra pôr-Se em contato com as multidões que se achavam em ignorância e erro. Dava as lições da verdade segundo estas podiam atingir os obscurecidos entendimentos. Ele próprio era a Verdade, lombos cingidos e mãos sempre estendidas para abençoar, buscando, com palavras de advertência, súplica e animação, erguer a todos quantos iam ter com Ele. O sermão da montanha, conquanto dirigido especialmente para os discípulos, foi proferido aos ouvidos da multidão. Após a ordenação dos apóstolos, Jesus foi com eles para a praia do mar. Ali, de manhã cedo, começara o povo a se reunir. Além das costumadas multidões das cidades da Galileia, havia gente da Judéia e da própria Jerusalém; da Peréia, de Decápolis, da Iduméia, para o sul da Judéia; e de Tiro, e Sidom, as cidades fenícias da costa do Mediterrâneo. “Ouvindo quão grandes coisas fazia” (Marcos 3:8), “tinham vindo para O ouvir, e serem curados das suas enfermidades. […] Porque saía dEle virtude, e curava a todos”. Lucas 6:17-19. A estreita praia não oferecia espaço ao alcance de Sua voz para todos quantos O desejavam ouvir, e Jesus os conduziu de volta à encosta da montanha. Chegando a um espaço plano, que proporcionava aprazível lugar de reunião para vasto auditório, sentou-Se Ele próprio na relva, e os discípulos e a multidão seguiram-Lhe o exemplo. O lugar dos discípulos era sempre próximo a Jesus. O povo comprimia-se constantemente em torno dEle, mas os discípulos entendiam que seu lugar junto do Mestre não devia ser tomado pela multidão. Sentaram-se-Lhe bem próximo, de modo a não perder nenhuma palavra de Suas instruções. Eram ouvintes atentos, ansiosos 248 249 por compreender as verdades que teriam de dar a conhecer em todas as terras em todos os séculos. Com a impressão de que podiam esperar qualquer coisa acima do comum, apertaram-se todos em volta do Mestre. Acreditavam que o reino seria em breve estabelecido, e em vista dos acontecimentos daquela manhã, convenceram-se de que seria feita alguma declaração a esse respeito. Também a multidão estava em atitude de expectativa, e a ansiedade das fisionomias atestava o profundo interesse. Ao sentar-se o povo na verdejante encosta, aguardando as palavras do divino Mestre, tinham o coração cheio de pensamentos quanto à [205] glória futura. Havia escribas e fariseus que esperavam o dia em que lhes seria dado domínio sobre os odiados romanos, e possuíssem as riquezas do grande império do mundo. Os pobres camponeses e pescadores esperavam ouvir a certeza de que suas míseras choças, o escasso alimento, a vida de árduo labutar e o temor da necessidade, deviam ser trocados por mansões onde reinassem abundância e dias de sossego. Em lugar da ordinária vestimenta que os abrigava de dia, e do cobertor que os agasalhava à noite, esperavam, Cristo lhes daria os ricos e custosos trajes de seus conquistadores. Todos os corações fremiam à orgulhosa esperança de que Israel seria em breve honrado ante as nações como os escolhidos do Senhor, e Jerusalém exaltada como a sede do reino universal. Cristo decepcionou essa esperança de mundana grandeza. No sermão do monte, procurou desfazer a obra da falsa educação, dando a Seus ouvintes conceito exato de Seu reino, bem como de Seu próprio caráter. Não atacou, todavia, diretamente os erros do povo. Via as misérias do mundo em razão do pecado, mas não lhes apresentou um quadro vivo de sua desgraça. Ensinou-lhes alguma coisa infinitamente melhor do que haviam conhecido. Sem lhes combater as ideias acerca do reino de Deus, disse-lhes as condições de entrada ali, deixando-os tirar suas próprias conclusões quanto à natureza do mesmo. As verdades que ensinou não são menos importantes para nós que para a multidão que O seguia. Não menos do que eles necessitamos nós de aprender os princípios fundamentais do reino de Deus. As primeiras palavras de Cristo ao povo, no monte, foram de bênção. Bem-aventurados, disse, são os que reconhecem sua pobreza espiritual, e sentem sua necessidade de redenção. O evangelho deve 250 ser pregado ao pobre. Não ao espiritualmente orgulhoso, o que pretende ser rico e de nada necessitar, é ele revelado, mas aos humildes e contritos. Uma única fonte fora aberta para o pecado, uma fonte para os pobres de espírito. O coração orgulhoso esforça-se por alcançar a salvação; mas tanto o nosso título ao Céu, como nossa idoneidade para ele, encontram-se na justiça de Cristo. O Senhor nada pode fazer para a restauração do homem enquanto ele, convicto de sua própria fraqueza e despido de toda presunção, não se entrega à guia divina. Pode então receber o dom que Deus está à espera de conceder. Coisa alguma é recusada à alma que sente a própria necessidade. Ela tem ilimitado acesso Àquele em quem habita a plenitude. “Porque assim diz o Alto e Sublime, que habita na eternidade, e cujo nome é santo: Num alto e santo lugar habito, e também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos, e para vivificar o coração dos contritos”. Isaías 57:15. “Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados.” Por essas palavras Cristo não ensina que o chorar em si mesmo [206] tenha poder para remover a culpa do pecado. Não sanciona a suposta ou voluntária humildade. O choro a que Se refere, não consiste em melancolia e lamentação. Ao passo que nos afligimos por causa do pecado, cumpre-nos regozijar-nos no precioso privilégio de ser filhos de Deus. Entristecemo-nos muitas vezes, porque nossas más ações nos trazem desagradáveis consequências; mas isso não é arrependimento. A verdadeira tristeza pelo pecado é o resultado da operação do Espírito Santo. Este revela a ingratidão da pessoa que menosprezou e ofendeu o Salvador, levando-nos contritos ao pé da cruz. Por todo pecado é Jesus novamente ferido (Hebreus 6:6); e ao olharmos Àquele a quem traspassamos, choramos as transgressões que Lhe trouxeram angústia. Tal pranto levará à renúncia do pecado. Os mundanos talvez considerem esse choro uma fraqueza; mas é a força que liga o penitente ao Infinito com laços que se não podem romper. Mostra que os anjos de Deus estão outra vez trazendo à pessoa as graças perdidas mediante a dureza de coração e as transgressões. As lágrimas do penitente não são senão as gotas de chuva que precedem o sol da santidade. Esse sol prenuncia o regozijo que será uma viva fonte no coração. “Somente reconhece 251 a tua iniquidade: que contra o Senhor teu Deus transgrediste”; “e não farei cair a Minha ira sobre vós; porque benigno sou, diz o Senhor”. Jeremias 3:13, 12. “Acerca dos tristes de Sião” determinou Ele dar-lhes “ornamento por cinza, óleo de gozo por tristeza, vestido de louvor por espírito quebrantado”. Isaías 61:3. E também para os que choram em provação e dor, existe conforto. A amargura do desgosto e da humilhação é preferível às satisfações do pecado. Por meio da aflição revela-nos Deus os lugares infeccionados em nosso caráter, para que, por Sua graça, possamos vencer nossas faltas. Desconhecidos capítulos que nos dizem respeito são nos patenteados, e sobrevém a prova, a ver se aceitamos a repreensão e o conselho de Deus. Quando provados, não nos devemos afligir e impacientar. Não nos devemos rebelar, ou buscar fugir à mão de Cristo. O correto é humilhar o coração perante Deus. Os caminhos do Senhor são obscuros ao que procura ver as coisas sob um aspecto agradável para si mesmo. Afiguram-se sombrios e destituídos de alegria à nossa natureza humana. Mas os caminhos do Senhor são de misericórdia, e o fim é salvação. Elias não sabia o que estava fazendo quando disse, no deserto que bastava de viver, e orou pedindo a morte. O Senhor, em Sua misericórdia, não lhe pegou na palavra. Havia ainda uma grande obra a ser realizada por Elias; e, concluída essa obra, não devia ele perecer desanimado e só no deserto. Tampouco lhe caberia descer ao pó da morte, mas à ascensão gloriosa, com o cortejo dos carros celestiais, para o trono do alto. Eis a palavra de Deus para os aflitos: “Eu vejo os seus caminhos, e os sararei; também os guiarei, e lhes tornarei a dar consolações, e aos seus pranteadores”. Isaías 57:18. “E tornarei o seu pranto em [207] alegria, e os consolarei, e transformarei em regozijo a sua tristeza”. Jeremias 31:13. “Bem-aventurados os mansos”. Mateus 5:5. As dificuldades que temos de enfrentar podem ser muito diminuídas por aquela mansidão que se esconde em Cristo. Se possuirmos a humildade de nosso Mestre, sobrepor-nos-emos aos menosprezos, às repulsas, aos aborrecimentos a que estamos diariamente expostos, e estes deixarão de nos lançar sombra sobre o espírito. A mais elevada prova de nobreza num cristão é o domínio de si mesmo. Aquele que, em face de maus-tratos ou de crueldade, deixa de manter espírito calmo e confiante, rouba a Deus de Seu direito de nele revelar Sua 252 própria perfeição de caráter. Humildade de coração é a força que dá vitória aos seguidores de Cristo; é o penhor de sua ligação com as cortes do alto. “Ainda que o Senhor é excelso, atenta para o humilde”. Salmos 138:6. Os que manifestam o manso e humilde espírito de Cristo são ternamente considerados por Deus. Podem ser olhados com desdém pelo mundo, mas são de grande valor aos Seus olhos. Não somente os sábios, os grandes, e caritativos, obterão passaporte para as cortes celestes; não somente o atarefado obreiro, cheio de zelo e atividade. Não; o pobre de espírito, que ambiciona a presença permanente de Cristo, o humilde de coração, cujo mais alto anelo é fazer a vontade de Deus — estes receberão uma entrada abundante. Achar-se-ão entre os que lavaram suas vestiduras e as branquearam no sangue do Cordeiro. “Por isso estão diante do trono de Deus, e O servem de dia e de noite no Seu templo; e Aquele que está assentado sobre o trono os cobrirá com a Sua sombra”. Apocalipse 7:15. “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça”. Mateus 5:6. O sentimento da própria indignidade levará o coração a ter fome e sede de justiça, e esse desejo não será decepcionado. Os que dão lugar a Jesus no coração, compreender-Lhe-ão o amor. Todos quantos anseiam ter semelhança de caráter com Deus, serão satisfeitos. O Espírito Santo nunca deixa sem assistência a alma que está olhando a Cristo. Ele toma do que é de Cristo, e mostra-lho. Se o olhar se mantiver fixo em Jesus, a obra do Espírito não cessa, até que a alma esteja conforme a Sua imagem. O puro elemento do amor dará expansão à alma, comunicando-lhe capacidade para altas consecuções, para maior conhecimento das coisas celestes, de maneira que ela não fique aquém da plenitude. “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos.” O misericordioso encontrará misericórdia, e o puro de coração verá a Deus. Todo pensamento impuro contamina a alma, enfraquece o senso moral, e tende a apagar as impressões do Espírito Santo. Diminui a visão espiritual, de modo que os homens não podem ver a Deus. O Senhor pode perdoar o arrependido pecador, e perdoa; embora perdoada, porém, a alma fica prejudicada. Toda impureza de [208] linguagem ou de pensamento deve ser evitada por aquele que quer possuir clara percepção da verdade espiritual. 253 As palavras de Cristo, todavia, abrangem mais que a isenção da impureza sensual, mais que a ausência daquela contaminação cerimonial que os judeus tão rigorosamente evitavam. O egoísmo nos impede de ver a Deus. O espírito interesseiro julga a Deus igual a si mesmo. Até que tenhamos renunciado a isso, não podemos compreender Aquele que é amor. Unicamente o coração abnegado, o humilde e fiel de espírito, verá a Deus como “misericordioso e piedoso, tardio em iras e grande em beneficência e verdade”. Êxodo 34:6. “Bem-aventurados os pacificadores.” A paz de Cristo provém da verdade. É harmonia com Deus. O mundo está em inimizade com a lei de Deus; os pecadores acham-se em inimizade com seu Criador; e, em resultado, em inimizade uns com os outros. Mas o salmista declara: “Muita paz têm os que amam a Tua lei, e para eles não há tropeço”. Salmos 119:65. Os homens não podem fabricar a paz. Os projetos humanos para purificação e reerguimento dos indivíduos ou da sociedade, deixarão de produzir a paz, visto como não atingem o coração. O único poder capaz de criar ou perpetuar a verdadeira paz, é a graça de Cristo. Quando esta é implantada no coração, expele as más paixões que causam luta e dissensão. “Em lugar do espinheiro crescerá a faia, e em lugar da sarça crescerá a murta” (Isaías 55:13); e a vida deserta “exultará e florescerá como a rosa”. Isaías 35:1. As multidões surpreendiam-se ante esses ensinos, tão diversos dos preceitos e exemplos dos fariseus. O povo chegara a pensar que a felicidade consistia na posse das coisas deste mundo, e que a fama e honra dos homens eram muito de se cobiçar. Era muito grato alguém ser chamado “Rabi”, e ser exaltado como sábio e religioso, vendo suas virtudes exibidas perante o público. Isso devia ser considerado a suprema felicidade. Mas, perante aquela numerosa multidão, Jesus declarou que o lucro terrestre era toda a recompensa que essas pessoas haviam de obter. Falava com segurança, e um convincente poder apoiava-Lhe as palavras. O povo emudeceu, sendo tomado de um sentimento de temor. Olhavam-se uns aos outros, duvidosos. Quem dentre eles se salvaria, fossem verdadeiros os ensinos desse homem? Muitos estavam convencidos de que esse notável Mestre era movido pelo Espírito de Deus, e divinos eram os sentimentos por Ele manifestados. 254 Depois de explicar em que consistia a verdadeira felicidade, e como pode ser obtida, Jesus indicou mais definidamente os deveres de Seus discípulos, como mestres escolhidos por Deus para levar outros ao caminho da justiça e da vida eterna. Sabia que haveriam de ser muitas vezes decepcionados e sofrer desânimos, que enfrentariam decidida oposição, seriam insultados e rejeitado o seu testemunho. Bem sabia Ele que, no cumprimento de sua missão, os humildes [209] homens que tão atentos Lhe escutavam as palavras haviam de sofrer calúnias, torturas, prisões e morte, e continuou: “Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos Céus. Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e mentindo, disserem todo o mal contra vós por Minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos Céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós”. Mateus 5:10-12. O mundo ama o pecado, e aborrece a justiça, e foi essa a causa de sua hostilidade para com Jesus. Todos quantos recusam Seu infinito amor, acharão o cristianismo um elemento perturbador. A luz de Cristo afasta as trevas que lhes cobrem os pecados, patenteando-se a necessidade de reforma. Ao passo que os que se submetem à influência do Espírito Santo começam a lutar consigo mesmos, os que se apegam ao pecado combatem contra a verdade e seus representantes. Assim se cria o conflito, e os seguidores de Cristo são acusados de perturbadores do povo. Mas é a união com Deus que lhes atrai a inimizade do mundo. Levam a injúria de Cristo. Estão palmilhando a senda trilhada pelos mais nobres da Terra. Não com pesar, mas com regozijo, devem enfrentar as perseguições. Cada ardente prova é um instrumento de Deus para sua purificação. Cada uma delas os está preparando para sua obra de colaboradores Seus. Cada conflito tem seu lugar na grande batalha em busca da justiça, e ajuntará uma alegria ao seu final triunfo. Tendo isso em vista, a prova de sua fé e paciência será de bom grado aceita, em vez de temida e evitada. Ansiosos por cumprir sua obrigação para com o mundo, fixando seu desejo na aprovação de Deus, Seus servos têm de cumprir cada dever, a despeito do temor dos homens ou de seu favor. “Vós sois o sal da terra” (Mateus 5:13), disse Jesus. Não vos aparteis do mundo, a fim de escapar à perseguição. Deveis permane 255 cer entre os homens, para que o sabor do amor divino seja como sal a preservar o mundo da corrupção. Corações que correspondem à influência do Espírito Santo, são condutos por onde fluem as bênçãos divinas. Fossem os servos de Deus tirados da Terra, e Seu Espírito retirado dentre os homens, este mundo seria entregue à desolação e destruição, o fruto do domínio de Satanás. Conquanto os ímpios não o saibam, devem até mesmo as bênçãos desta vida, à presença do povo de Deus no mundo, esse povo que desprezam e oprimem. Mas se os cristãos o são apenas de nome, são como o sal que perdeu o sabor. Não exercem nenhuma influência para bem no mundo. São, pela falsa representação de Deus, piores que os incrédulos. “Vós sois a luz do mundo”. Mateus 5:14. Os judeus pensavam limitar os benefícios da salvação a seu próprio povo; mas Jesus mostrou-lhes que a salvação é como a luz do Sol. Pertence ao mundo. A religião da Bíblia não deve ser confinada dentro da capa de um livro, ou entre as paredes de uma igreja, nem ser manifestada aciden- [210] talmente, para nosso proveito, sendo então posta de novo à margem. Cumpre santificar a vida diária, manifestar-se em toda transação de negócio, e em todas a relações sociais. O verdadeiro caráter não se molda exteriormente; irradia do interior. Se desejamos dirigir outros na vereda da justiça, os princípios da equidade devem ser entronizados na própria alma. Nossa profissão de fé pode proclamar a teoria da religião, mas é a piedade que revela a palavra da verdade. A vida coerente, a santa conversação, a inabalável integridade, o espírito ativo e beneficente, o piedoso exemplo — eis os condutos pelos quais a luz é comunicada ao mundo. Jesus não demorara nas especificações da lei, mas não permitiu que Seus ouvintes concluíssem que viera pôr de parte suas reivindicações. Sabia que havia espiões prontos a pegarem toda palavra susceptível de ser torcida para servir ao próprio desígnio. Sabia dos preconceitos que existiam no espírito de muitos de Seus ouvintes, e não disse coisa alguma para lhes perturbar a fé na religião e instituições que lhes foram entregues por intermédio de Moisés. O mesmo Cristo dera tanto a lei moral, como a cerimonial. Não viera destruir a confiança em Suas próprias instruções. Era por causa de Sua grande reverência pela lei e os profetas, que procurava fazer uma brecha no muro de exigências tradicionais que cercava os ju256 deus. Conquanto pusesse de lado suas falsas interpretações da lei, guardava cuidadosamente Seus discípulos de abandonarem as vitais verdades confiadas aos hebreus. Os fariseus se orgulhavam da obediência que prestavam à lei; sabiam, todavia, tão pouco de seus princípios pela prática diária, que para eles as palavras do Salvador soavam qual heresia. Ao sacudir o entulho sob que a verdade estivera soterrada, julgavam que estava varrendo a própria verdade. Murmuravam uns para os outros que estava menosprezando a lei. Jesus leu-lhes os pensamentos, e respondeu aos mesmos, dizendo: “Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir”. Mateus 5:17. Aí refuta Jesus a acusação dos fariseus. Sua missão para o mundo é reivindicar os sagrados direitos da lei que O acusam de violar. Se a lei de Deus pudesse haver sido mudada ou anulada, então Cristo não teria necessitado sofrer as consequências de nossa transgressão. Ele veio para explicar a relação da lei para com o homem, e exemplificar-lhe os preceitos mediante Sua própria vida de obediência. Deus nos deu Seus santos preceitos, porque ama a humanidade. Para proteger-nos dos resultados da transgressão, revela os princípios da justiça. A lei é uma expressão do pensamento divino; quando recebida em Cristo, torna-se nosso pensamento. Ergue-nos acima do poder dos desejos e tendências naturais, acima das tentações que induzem ao pecado. Deus quer que sejamos felizes, e deu-nos os preceitos da lei para que obedecendo-lhes, possamos ter alegria. [211] Quando, por ocasião do nascimento de Jesus, os anjos cantaram: “Glória a Deus nas alturas, paz na Terra, boa vontade para com os homens” (Lucas 2:14), estavam declarando os princípios da lei que viera engrandecer e tornar gloriosa. Quando a lei foi proclamada do Sinai, Deus tornou conhecida aos homens a santidade de Seu caráter a fim de que, por contraste, pudessem ver sua própria pecaminosidade. A lei foi dada para os convencer do pecado, e revelar-lhes sua necessidade de um Salvador. Assim o faria, à medida que seus princípios fossem aplicados ao coração pelo Espírito Santo. Esta obra deve ela fazer ainda. Na vida de Cristo se tornam patentes os princípios da lei; e, ao tocar o Espírito Santo de Deus o coração, ao revelar a luz de Cristo aos homens a necessidade que têm de Seu sangue purificador e de Sua justificadora justiça, a lei é ainda um instrumento em nos levar a 257 Cristo para sermos justificados pela fé. “A lei do Senhor é perfeita, e refrigera a alma”. Salmos 19:7. “Até que o céu e a Terra passem”, disse Jesus, “nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido”. Mateus 5:18. O Sol que brilha no céu, a sólida Terra sobre que habitamos, são testemunhas de Deus, de que Sua lei é imutável e eterna. Ainda que passem, perdurarão os divinos preceitos. “É mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til da lei”. Lucas 16:17. O sistema de tipos que apontavam para Cristo como o Cordeiro de Deus, devia ser abolido por ocasião de Sua morte; mas os preceitos do decálogo são tão imutáveis como o trono de Deus. Uma vez que “a lei do Senhor é perfeita”, qualquer mudança dela deve ser um mal. Os que desobedecem aos mandamentos de Deus, e ensinam outros a fazer assim, são condenados por Cristo. A vida de obediência do Salvador manteve as reivindicações da lei; provou que a lei pode ser observada pela humanidade, e mostrou a excelência de caráter que a obediência havia de desenvolver. Todos quantos obedecem como Ele fez, estão semelhantemente declarando que a lei é “santa, justa e boa”. Romanos 7:12. Por outro lado, todos quantos transgridem os mandamentos divinos, estão apoiando a pretensão de Satanás de que a lei é injusta, e não pode ser obedecida. Apoiam assim os enganos do grande adversário, e desonram a Deus. São filhos do maligno, o qual foi o primeiro rebelde contra a lei do Senhor. Admiti-los no Céu, seria aí introduzir novamente elementos de discórdia e rebelião, e pôr em risco o bem-estar do Universo. Ninguém que voluntariamente despreze um princípio da lei entrará no Céu. Os rabis consideravam sua justiça um passaporte para o Céu; mas Jesus declarou-a insuficiente e indigna. As cerimônias exteriores e um teórico conhecimento da verdade constituíam justiça farisaica. Os rabis pretendiam ser santos por meio de seus próprios esforços em guardar a lei; mas suas obras haviam divorciado a justiça da religião. Conquanto fossem extremamente escrupulosos nas observâncias rituais, sua vida era imoral e falsificada. Sua chamada justiça nunca [212] poderia penetrar no reino do Céu. O maior dos enganos do espírito humano, nos dias de Cristo, era que um mero assentimento à verdade constituísse justiça. Em toda experiência humana, o conhecimento teórico da verdade se 258 tem demonstrado insuficiente para a salvação da alma. Não produz os frutos de justiça. Uma cuidadosa consideração pelo que é classificado verdade teológica, acompanha frequentemente o ódio pela verdade genuína, segundo se manifesta na vida. Os mais tristes capítulos da História acham-se repletos do registro de crimes cometidos por fanáticos adeptos de religiões. Os fariseus pretendiam ser filhos de Abraão, e vangloriavam-se de possuir os oráculos de Deus; todavia, essas vantagens não os preservavam do egoísmo, da malignidade, da ganância e da mais baixa hipocrisia. Julgavam-se os maiores religiosos do mundo, mas sua chamada ortodoxia os levou a crucificar o Senhor da glória. O mesmo perigo existe ainda. Muitos se têm na conta de cristãos, simplesmente porque concordam com certos dogmas teológicos. Não introduziram, porém, a verdade na vida prática. Não creram nela nem a amaram; não receberam, portanto, o poder e a graça que advêm mediante a santificação da verdade. Os homens podem professar fé na verdade; mas, se ela não os torna sinceros, bondosos, pacientes, dominados, tomando prazer nas coisas de cima, é uma maldição a seu possuidor e, por meio de sua influência, uma maldição ao mundo. A justiça ensinada por Cristo é conformidade de coração e de vida com a revelada vontade de Deus. Os pecadores só se podem tornar justos, à medida que têm fé em Deus, e mantêm vital ligação com Ele. Então a verdadeira piedade lhes elevará os pensamentos e enobrecerá a vida. Então, as formas externas da religião se harmonizam com a interior pureza cristã. As cerimônias exigidas no serviço de Deus não são nesse caso ritos destituídos de sentido, como os dos fariseus hipócritas. Jesus toma separadamente os mandamentos, e expõe-lhes a profundidade e a largura das reivindicações. Em lugar de remover um jota de sua força, mostra quão vasto é o alcance de seus princípios, e expõe o erro fatal dos judeus em sua ostentação exterior de obediência. Declara que, pelo mau pensamento ou o cobiçoso olhar, é transgredida a lei divina. Uma pessoa que se torna participante da mínima injustiça, está violando a lei e degradando sua própria natureza moral. O homicídio existe primeiro na mente. Aquele que dá ao ódio um lugar no coração, está pondo o pé no caminho do assassínio, e suas ofertas são aborrecíveis a Deus. 259 Os judeus cultivavam um espírito de vingança. Em seu ódio aos romanos, proferiam duras acusações e agradavam ao maligno pela manifestação de seus atributos. Estavam assim se preparando para praticar as terríveis ações a que ele os levou. Não havia, na vida religiosa dos fariseus, nada que recomendasse a piedade aos olhos [213] dos gentios. Jesus declarou-lhes que se não enganassem com a ideia de poderem revoltar-se no coração contra seus opressores, e acariciar o anseio de vingar-se de suas injustiças. É verdade que há uma indignação justificável, mesmo nos seguidores de Cristo. Quando veem que Deus é desonrado, e Seu serviço exposto ao descrédito; quando veem o inocente opresso, uma justa indignação agita a alma. Tal ira, nascida da sensibilidade moral, não é pecado. Mas os que, a qualquer suposta provocação, se sentem em liberdade de condescender com a zanga ou o ressentimento, estão abrindo o coração a Satanás. Amargura e animosidade devem ser banidas da alma, se queremos estar em harmonia com o Céu. O Salvador vai além disso. Diz Ele: “Se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão, e depois vem e apresenta a tua oferta”. Mateus 5:23, 24. Muitos são zelosos nos cultos, ao passo que entre eles e seus irmãos existem lamentáveis diferenças, as quais poderiam harmonizar. Deus exige que façam tudo ao seu alcance para restaurar a concórdia. Antes que isso façam, não lhes pode aceitar a adoração. O dever do cristão a esse respeito é claramente indicado. Deus derrama Suas bênçãos sobre todos. “Faz que o Seu Sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.” É “benigno até para com os ingratos e maus”. Lucas 6:35. Pede-nos que sejamos semelhantes a Ele. “Bendizei os que vos maldizem”, disse Jesus: “Fazei bem aos que vos odeiam,… para que sejais filhos do vosso Pai que está nos Céus”. Mateus 5:44. Eis os princípios da lei, e são as fontes da vida. O ideal de Deus para Seus filhos é mais alto do que pode alcançar o pensamento humano. “Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos Céus”. Mateus 5:48. Este mandamento é uma promessa. O plano da redenção visa ao nosso completo libertamento do poder de Satanás. Cristo separa sempre do pecado a alma contrita. Veio para destruir as obras do diabo, e tomou providências para que 260 o Espírito Santo fosse comunicado a toda alma arrependida, para guardá-la de pecar. A influência do tentador não deve ser considerada desculpa para qualquer má ação. Satanás rejubila quando ouve os professos seguidores de Cristo apresentarem desculpas quanto à sua deformidade de caráter. São essas escusas que levam ao pecado. Não há desculpas para pecar. Uma santa disposição, uma vida cristã, são acessíveis a todo filho de Deus, arrependido e crente. O ideal do caráter cristão, é a semelhança com Cristo. Como o Filho do homem foi perfeito em Sua vida, assim devem Seus seguidores ser perfeitos na sua. Jesus foi em todas as coisas feito semelhante a Seus irmãos. Tornou-Se carne, da mesma maneira [214] que nós. Tinha fome, sede e fadiga. Sustentava-Se com alimento e refrigerava-Se pelo sono. Era Deus em carne. Ele compartilhou da sorte do homem; não obstante, foi o imaculado Filho de Deus. Seu caráter deve ser o nosso. Diz o Senhor dos que nEle crêem: “Neles habitarei, e entre eles andarei; e Eu serei o seu Deus e eles serão o Meu povo”. 2 Coríntios 6:16. Cristo é a escada que Jacó viu, tendo a base na Terra, e o topo chegando à porta do Céu, ao próprio limiar da glória. Se aquela escada houvesse deixado de chegar à Terra, por um único degrau que fosse, teríamos ficado perdidos. Mas Cristo vem ter conosco onde nos achamos. Tomou nossa natureza e venceu, para que, revestindo-nos de Sua natureza, nós pudéssemos vencer. Feito “em semelhança da carne do pecado” (Romanos 8:3), viveu uma vida isenta de pecado. Agora, por Sua divindade, firma-Se ao trono do Céu, ao passo que, pela Sua humanidade, Se liga a nós. Manda-nos que, pela fé nEle, atinjamos à glória do caráter de Deus. Portanto, devemos ser perfeitos, assim como “é perfeito vosso Pai que está nos Céus”. Mateus 5:48. Jesus mostrara em que consiste a justiça, e indicara Deus como fonte da mesma. Voltou-Se então para os deveres práticos. Em dar esmolas, orar, jejuar, disse Ele, que nada seja feito com o intuito de atrair atenção ou louvores para o próprio eu. Dai em sinceridade, para benefício do pobre sofredor. Na oração, comungue a alma com Deus. Ao jejuar, não andeis cabisbaixos, a mente ocupada com vós mesmos. O coração do fariseu é um solo árido e inútil, em que nenhuma semente de vida divina pode crescer. Aquele que mais 261 completamente se entrega a Deus, é que mais aceitável serviço Lhe presta. Pois, mediante a comunhão com Ele, os homens se tornam coobreiros Seus em manifestar-Lhe o caráter na humanidade. A adoração prestada em sinceridade de coração tem grande recompensa. “Teu Pai, que vê em segredo, te recompensará publicamente”. Mateus 6:6. Pela vida que vivemos mediante a graça de Cristo, forma-se o caráter. A beleza original começa a ser restaurada na alma. São comunicados os atributos do caráter de Cristo, começando a refletir-se a imagem do Divino. A fisionomia dos homens e mulheres que andam e trabalham com Deus, exprime a paz do Céu. São circundados da atmosfera celeste. Para essas pessoas começou o reino de Deus. Possuem a alegria de Cristo, a satisfação de ser uma bênção à humanidade. Têm a honra de ser aceitos para o serviço do Mestre; é-lhes confiado o fazer Sua obra em Seu nome. “Ninguém pode servir a dois senhores.” Não podemos servir a Deus com coração dividido. A influência da religião bíblica não é uma influência entre outras: tem de ser suprema, penetrando em todas as outras e dominando-as. Não deverá ser uma pincelada dando aqui e ali cor a uma tela, mas encher a vida toda, como se a mesma tela fosse imergida na tinta até que cada fio houvesse tomado profundo e firme colorido. [215] “De sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz; se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso”. Mateus 6:22. Pureza e firmeza de propósito são condições para receber luz de Deus. Aquele que deseja conhecer a verdade, deve estar disposto a aceitar tudo que ela mostra. Não pode ter nenhuma transigência com o erro. Estar vacilante e morno para com a verdade, é preferir as trevas do erro e o engano de Satanás. Os métodos mundanos e os retos princípios da justiça não se misturam imperceptivelmente, como as cores do arco-íris. Há entre eles, traçada pelo eterno Deus, vasta e distinta linha divisória. A semelhança de Cristo ressalta tão marcadamente em contraste com a de Satanás, como o meio-dia em face da meia-noite. E unicamente os que vivem a vida de Cristo, são coobreiros Seus. Se um pecado é nutrido na alma, ou uma prática errônea conservada na vida, todo o ser é contaminado. O homem torna-se instrumento de injustiça. Todos quantos escolheram o serviço de Deus, devem descansar em Seu cuidado. Cristo apontou os pássaros voando no espaço, as 262 flores no campo, pedindo a Seus ouvintes que considerassem essas criaturas de Deus. “Não tendes vós muito mais valor do que elas?” (Mateus 6:26) disse Ele. A medida da atenção divina concedida a qualquer criatura, é proporcional a sua posição na escala dos seres. A pequenina andorinha é velada pela Providência. As flores do campo, a relva que atapeta o solo, partilham da atenção e cuidado do Pai celeste. O grande Artista, o Artista-Mestre, teve pensamentos para os lírios, fazendo-os tão bonitos que ultrapassam a glória de Salomão. Quanto mais cuida Ele do homem, a imagem e glória divinas! Anela ver Seus filhos revelarem um caráter à Sua semelhança. Como a luz solar comunica às flores seus múltiplos e delicados matizes, assim transmite Ele à alma a beleza de Seu próprio caráter. Todos quantos preferem o reino de Cristo — reino de amor e justiça e paz—colocando os interesses do mesmo acima de todos os outros, acham-se ligados ao mundo do alto, e pertencem-lhes todas as bênçãos necessárias a esta vida. No livro da providência de Deus, o volume da vida, a cada um de nós é dada uma página. Essa página contém cada particularidade de nossa história; até os cabelos da cabeça estão contados. Os filhos de Deus nunca Lhe estão ausentes do pensamento. “Não vos inquieteis pois pelo dia de amanhã.” Devemos seguir a Cristo dia a dia. Deus não provê auxílio para amanhã. Não dá a Seus filhos imediatamente todas as instruções para a jornada da vida, para que não fiquem confundidos. Diz-lhes apenas quanto possam conservar na memória e realizar. A força e a sabedoria comunicadas destinam-se à emergência do momento. “Se algum de vós tem falta de sabedoria” — para o dia de hoje — “peça a Deus, que a todos dá [216] liberalmente, e o não lança em rosto, e ser-lhe-á dada”. Tiago 1:5. Não julgueis, para que não sejais julgados.” Não vos julgueis melhores que outros homens, nem vos arvoreis em juízes seus. Uma vez que não vos é dado discernir os motivos, sois incapazes de julgar um ao outro. Ao criticá-lo, estais-vos sentenciando a vós mesmos; pois mostrais ter parte com Satanás, o acusador dos irmãos. O Senhor diz: “Examinai-vos a vós mesmos, se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos”. 2 Coríntios 13:5. Eis nossa tarefa. “Se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados”. 1 Coríntios 11:31. 263 A boa árvore produzirá bom fruto. Se o fruto for de sabor desagradável e sem valor, a árvore é má. Assim o fruto dado na vida testifica das condições do coração e da excelência do caráter. As boas obras jamais poderão comprar a salvação; são, porém, um indício da fé que opera por amor e purifica a alma. E se bem que a recompensa eterna não seja concedida em virtude de nossos méritos, será todavia em proporção à obra realizada por meio da graça de Cristo. Cristo apresentou assim os princípios de Seu reino, e mostrou serem eles a grande norma da vida. Para fazer gravar melhor a lição, dá um exemplo. Não vos basta, diz Ele, ouvirdes Minhas palavras. Cumpre-vos, pela obediência, torná-las o fundamento de vosso caráter. O próprio eu não passa de areia movediça. Se edificardes sobre teorias e invenções humanas, vossa casa ruirá. Pelos ventos da tentação, pelas tempestades das provas, será varrida. Mas estes princípios que vos dei permanecerão. Recebei-Me; edificai sobre Minhas palavras. “Todo aquele, pois, que escuta estas Minhas palavras e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha; e desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha”. Mateus 7:24, 25. [217]